Início > Artigo > Exportações portuguesas para o Brasil atingem recorde



Exportações portuguesas para o Brasil atingem recorde


As exportações portuguesas para o Brasil somaram em outubro US$ 154,9 milhões, a marca mais elevada do ano, segundo os dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). O valor fica também acima de todos os registros mensais das exportações portuguesas para o mercado brasileiro no ano passado.

As vendas de Portugal para o Brasil em outubro foram 75% superiores às do mesmo mês de 2012 e elevaram o total exportado por Portugal desde o início de 2013 para US$ 899,2 milhões, cifra que está 11,6% acima da alcançada no mesmo período do ano passado.

Até outubro o melhor mês das exportações lusas para o Brasil havia sido setembro, com US$ 119,9 milhões.

Já as exportações brasileiras para Portugal no mês passado fixaram-se em US$ 34,2 milhões, menos de metade dos US$ 77,5 milhões de outubro de 2012, de acordo com o MDIC.

O resultado do comércio bilateral em outubro foi um superávit para Portugal de mais de US$ 120 milhões, que é não só o maior saldo mensal do ano, como também o mais elevado já conquistado por Portugal nas relações com o Brasil.

Em termos acumulados, o Brasil exportou para Portugal US$ 785,6 milhões, menos 44,4% do que nos primeiros dez meses do ano passado.

No total do período de janeiro a outubro o comércio luso-brasileiro apresenta um saldo favorável a Portugal de US$ 113,6 milhões, colocando a economia portuguesa em boa posição para fechar 2013 com um dos melhores resultados de sempre.

Segundo os registros do MDIC, que vão até 1989, o saldo da balança comercial luso-brasileira foi sempre favorável ao Brasil, tendo atingido em 2007 um recorde de US$ 1,46 bilhão. Em 2012 as relações bilaterais resultaram num superávit de quase US$ 626 milhões para o Brasil.

Embora o ano esteja a ser positivo para Portugal, em termos absolutos a corrente de comércio entre os dois países está distante dos níveis historicamente mais elevados de anos anteriores. De janeiro a outubro o comércio luso-brasileiro somou US$ 1,68 bilhões. Em 2012 a corrente de comércio (no total de 12 meses) foi de US$ 2,6 bilhões.

Em termos de produtos, o bem mais exportado por Portugal para o Brasil no período de janeiro a outubro foi o azeite, representando mais de 21% do total de vendas. O bacalhau, com cerca de 7% do total, é o segundo produto mais vendido para o mercado brasileiro. Em terceiro lugar vem o gás natural liquefeito, com mais de 5%.

No sentido inverso, o produto que o Brasil mais vendeu para Portugal até outubro foi petróleo (quase 23% do total), seguido do milho (15,6%) e soja (13,5%), de acordo com os últimos dados publicados pelo MDIC.

fonte


VEJA UMA PLAYLIST COM DEZENAS DE VÍDEOS DO LOBITO, CATUMBELA E BENGUELA, CLICANDO NA IMAGEM

Lobito 2013 NO FACEBOOK - CENTENAS DE FOTOS E VÍDEOS



Data: 2013-11-20

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)