Início > Artigo > O primeiro grande guia português de São Tomé e Príncipe é um caso de paixão



O primeiro grande guia português de São Tomé e Príncipe é um caso de paixão


Um grupo de portugueses “fascinado” pelo país juntou forças para criar e publicar o primordial guia em língua portuguesa deste destino lusófono. Uma epopeia que passou até por fundar uma editora dedicada aos viajantes apaixonados pelos trópicos

Mais de cinco séculos depois de navegadores portugueses descobrirem São Tomé e Príncipe, os visitantes lusófonos daquele arquipélago africano têm, por fim, a vida facilitada. “É um destino onde vamos há muito tempo, muito antes de pensarmos em fazer guias”, conta-nos Renata Monteiro Marques, coordenadora e co-autora do “primeiro guia exaustivo em língua portuguesa” do país, precisamente nas vésperas de partir uma vez mais para São Tomé. Na verdade, o grupo de autores que se lançou na epopeia de criar a obra (e que para tal até fundou uma editora) começou a visitar o país há oito anos por razões profissionais (ligadas à colaboração académica da Universidade de Évora com o território). Depois, foi “crescendo o fascínio”.

Agora, querem dá-lo a conhecer mais e melhor com um guia prático, lançado no último Verão, que nos leva pelas praias e pela avassaladora natureza, pelas roças e história, pela cultura e gastronomia, hotéis e mesas e, claro, à descoberta do seu povo. Mas trata-se até mais do que um guia. É “claramente, um caso de paixão” pelo país a que chegaram para apoiar os primeiros licenciados, lembra Renata, que também está a doutorar-se com uma investigação sobre o “cacau escravo”.

Em formato de bolso (16,5x11cm), o guia espraia-se por 288 páginas e 800 fotos, incluindo tudo o que é preciso saber para visitar este que é um dos países mais pequenos do mundo – e um dos mais pobres, arquipélago de duas ilhas (a de São Tomé e a do Príncipe) e alguns ilhéus (como o das Rolas, tão célebre pelo resort turístico que acolhe como por estar “no meio do mundo” com o seu marco da linha do Equador), com uma história que passa pelo colonialismo português ou pela produção de cacau.

continue a ler aqui


 



Data: 2013-11-03

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012