Início > Artigo > Greenpeace alerta para perigos de sobrepesca na costa oeste-africana



Greenpeace alerta para perigos de sobrepesca na costa oeste-africana


A organização ambientalista internacional não governamental Greenpeace alerta para perigos da sobrepesca na sub-região oste-africana, de acordo com um relatório apresentado em Nouakchott.

Ao apresentar o documento, Mohamed Diame, perito encarregue da campanha "Oceanos da África Ocidental", lançada desde 2010 pela Greenpeace, indicou que as águas desta região "sofrem o impacto do desenvolvimento acelerado das atividades de pesca e de sobrepesca que constituem uma das principais ameaças que pesam sobre os oceanos" nesta parte do mundo.

Na origem desta situação, está o esgotamento dos estoques haliêuticos" na Europa que leva pescadores de vários países, nomeadamente da Europa, da Rússia, da China e de Taiwan, a virarem-se para zonas piscatórias da África Ocidental para manterem as suas frotas em atividade, indicou.

Mohamed Diame acrescentou que a isto se junta o número crescente de pescadores artesanais, que exploram as águas costeiras e intensificam pressão sobre os estoques, bem como a pesca ilícita não declarada e não regulamentada, cujos danos anuais estimam-se em 500 milhões de dólares americanos.

Na sua ótica, esta situação é agravada por incidências do crescimento demográfico nas zonas costeiras, pelo desenvolvimento da exploração petrolífera offshore, bem como pelas lacunas nas políticas de pescas que comprometem mecanismos de gestão e de controlo.

A Greenpeace considera que "o declínio e o esgotamento provável dos recursos marinhos na África Ocidental terá um impacto catastrófico na sub-região e que representa uma ameaça aos meios de subsistência de várias dezenas de milhões de indivíduos, em termos de segurança alimentar e empregos, nas comunidades costeiras.

Indicou que este alerta justifica a campanha "Oceanos da África Ocidental" lançada pela Greenpeace para sensibilizar governos, sociedade civil, comunidades e decisores públicos europeus ao perigo da sobrepesca.

Vários países africanos assinam acordos de pesca renovados de maneira cíclica com a União Europeia, além de outros acordos mais ou menos ilícitos com os Russos e Chineses.

Graças a esta campanha, o regime instituído no Senegal desde abril de 2012 pôs termo às atividades de pilhagem de cerca de 30 navios russos e lituanos, segundo o perito da Greeenpeace.

fonte




Data: 2013-10-12

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família