Início > Artigo > Governos acordam restrições ao comércio de cinco espécies de tubarão



Governos acordam restrições ao comércio de cinco espécies de tubarão


A Convenção Internacional de Espécies Ameaçadas aprovou segunda-feira em Banguecoque a limitação do comércio de cinco espécies de tubarão, numa tentativa de salvá-las de serem mortas para a obtenção de barbatanas.

A 16.ª convenção das partes, realizada pelos 178 estados-membros da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Fauna e da Flora (em inglês, CITES), acordou hoje o controlo da exportação do tubarão-de-pontas-brancas, do tubarão-sardo e de três espécies de tubarões martelo (recortado, gigante e liso), mas ficaram aquém de uma proibição completa.

A medida, proposta pela União Europeia, com 93 votos a favor, 39 contra e oito abstenções, prevê a emissão de licenças de comércio, de forma a garantir a sustentabilidade destas quatro espécies, sob a pena de sanções da CITES.
Apesar de aceite, a norma foi alvo de contestação por parte do Japão e da China, onde a sopa de barbatana de tubarão é considerada uma iguaria, mas levada adiante por países como Brasil, Colômbia e Estados Unidos.

A decisão de acrescentar estas espécies ao apêndice dois do Cites, que restringe o comércio transfronteiriço, tem de ser formalmente aprovada pela sessão plenária da conferência no final da semana.
Depois da aprovação oficial, os estados-membros têm até 18 meses para introduzir os controlos comerciais.
Estas cinco espécies irão juntar-se a outras já protegidas, como o grande-tubarão-branco, o tubarão-baleia e tubarão-frade, que usufruem de fiscalização no comércio internacional.

No encontro de Banguecoque, que termina no dia 14, está também prevista a votação de propostas semelhante para a jamanta.
Segundo a Organização das Nações Unidos para Agricultura e Alimentação (FAO), cerca de 100 milhões de tubarões são mortos a cada ano, números que deixam os especialistas em alerta quanto às dezenas de espécies ameaçadas.

A FAO salientou ainda que 90% dos tubarões do mundo desapareceram nos últimos 100 anos, essencialmente devido à sobrepesca.
A CITES resulta de um acordo entre governos para garantir que o comércio internacional de espécies selvagens não compromete a sua sustentabilidade.
 


 



Data: 2013-03-11

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)