Início > Artigo > Amigáveis trópicos



JÚLIO VERNE E O BRASIL

Amigáveis trópicos


Quem viajou até o centro da Terra, deu a volta ao mundo em 80 dias e percorreu 20 mil léguas submarinas dificilmente ignoraria um dos ambientes mais misteriosos e sedutores do planeta: a floresta amazónica. E Julio Verne não a ignorou.

Um dos mais reconhecidos escritores franceses, considerado por muitos o pai da ficção científica moderna, Verne (1828-1905) era especialista em criar histórias de aventura que alimentavam a imaginação dos leitores sobre povos e regiões a serem desbravados. Ao fazê-lo, revelava também como era o olhar europeu para o restante do mundo. Apesar de suas posições humanistas e libertárias, ele compartilhava com seus contemporâneos a ambiguidade ao abordar outras culturas: populações nativas da América e da África foram representadas ora como “bons selvagens”, puros e ingênuos, ora como “maus selvagens”, primitivos e violentos.

Curiosamente, essa tensão entre a idealização da natureza e o entusiasmo com o progresso não está presente no livro La jangada, huit cents lieues sur l’Amazone (A jangada, oitocentas léguas pelo Amazonas), publicado na França em 1881 pelo célebre editor Jules Hetzel. Em sua aventura amazônica, Julio Verne parece querer destacar mais a harmonia e a proximidade do que o exotismo e o estranhamento.

A Jangada narra a história de João Dacosta, um brasileiro injustamente condenado à morte pelo roubo de diamantes na província de Minas Gerais na época do Segundo Reinado (1840-1889) e pelo assassinato dos soldados que faziam a escolta do valioso carregamento. Preso, Dacosta consegue fugir, adota o nome falso de João Garral e reconstrói sua vida na região da Amazônia peruana, no povoado de Iquitos. Torna-se um respeitável proprietário de terras, casado e com dois filhos.

A promessa de aventura bem ao estilo de Verne aparece quando João Garral manda construir uma jangada para descer o Amazonas e comparecer ao casamento de sua filha Minha, que será realizado na foz do rio, em Manaus. O fazendeiro pretende levar a bordo parentes, empregados, agregados e uma infraestrutura descrita em minúcias. A viagem transcorre em meio a uma trama folhetinesca: um vilão tenta chantagear o protagonista, ameaçando revelar sua verdadeira identidade.

A saga de João Garral e sua família é acompanhada por informações detalhadas sobre a região, os rios, a floresta e as atividades de habitantes pertencentes a diferentes grupos sociais da Amazônia. Na edição original do romance, setenta imagens ajudam a compor o cenário descrito por Verne, incluindo dois mapas da bacia do Amazonas. Os desenhos eram assinados por Benett – um dos viajados ilustradores com que Hetzel contava para colaborar na coleção Les Voyages Extraordinaires (Viagens extraordinárias), uma série de livros de Verne que chegaria a 54 volumes!

A página de abertura da Jangada traz uma ilustração de dois jovens bem alinhados, vestidos como caçadores, contemplando o infindável rio, acomodados sobre o barranco à sua margem. Uma densa vegetação chega a invadir o leito das águas em seu canto mais raso. Mas a clareira em que descansam as personagens é ornada apenas por delicados cipós, sugerindo que a floresta acolhia amigavelmente os homens que por ela circulavam. A impressão é reforçada pela imagem seguinte, ainda no primeiro capítulo, em que o capitão do mato Torres – o chantagista que sabe o segredo de Garral – fuma seu cachimbo recostado na enorme raiz de uma árvore.

LEIA A VERSÃO INTEGRAL DESTE ARTIGO EM FORMATO PDF

FONTE




Data: 2012-11-20

Artigos relacionados:

  • Presos ao mar
  • A dura vida dos navegantes
  • Angola, Terra de oportunidades
  • Empatia pelos brasileiros
  • Camões com dendê
  • O que tem de Angola no Brasil e vice-versa?
  • Natureza iluminada
  • Angola anexada pelos brasileiros?
  • África, o retorno
  • Frutos do mar
  • Comandante que incendiou o navio preso a 5 de Janeiro de 1863
  • Ex-escravos: migração da forma do Brasil para África
  • Navio «Oriental» queria difundir a arte fotográfica pelo mundo
  • O Brasil, muito antes da internet

  •  Vídeo

    Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

     “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

     VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

     IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

     IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

     Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

     VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

     VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

     VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

     Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

     Mindelo e São Vicente com muita morabeza

     Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

     Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

     VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

     VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

     VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

     VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

     Porto de Luanda - 1955

     Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

     Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

    Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)