Início > Artigo > 80% dos projectos de investimento portugueses visam Moçambique



80% dos projectos de investimento portugueses visam Moçambique


Entre 70 e 80% de todas as ideias de investimento apresentadas à Sofid, empresa que financia projectos portugueses em países em desenvolvimento, têm como destino Moçambique, disse à Lusa o presidente executivo da instituição.

«Moçambique é de facto um país da moda. (...) Neste momento é o país que mais interesse suscita aos investidores portugueses», disse Diogo Gomes de Araújo, em entrevista à Lusa.
Para explicar esta preferência entre as empresas que procuram a Sofid, sobretudo Pequenas e Médias Empresas (PME), o presidente da instituição financeira aponta a previsibilidade do mercado moçambicano, assim como a forma «moderna, transparente e flexível» com que o país promove o investimento directo estrangeiro.

«Quando investe em Moçambique, [o investidor] sabe quais são as regras, quais os apoios, qual o tratamento que as autoridades locais lhe vão dar, enquanto noutros países é mais incerto», esclareceu.
Comparativamente com o mercado angolano, por exemplo, o moçambicano dá mais flexibilidade ao investidor, acrescentou Diogo Gomes de Araújo, exemplificando: «Uma pessoa que queira abrir uma loja com 100 mil euros em Moçambique pode fazê-lo. Em Angola, a nova lei do investimento privado exige que o investimento seja superior a um milhão de dólares».

Além disso, lembrou, Angola teve a crise dos pagamentos em 2008, que assustou as empresas.
Entre 2009 e 2010, a Sofid sentiu essa mudança: «Deixou de ser tanto Angola o país do interesse dos empresários e passou a ser Moçambique», disse Diogo Gomes de Araújo.
O responsável admitiu no entanto que o facto de a Sofid ser a entidade gestora do Investimoz, o fundo português de apoio ao investimento em Moçambique, pode também ser determinante na quantidade de empresas que procuram a instituição com Moçambique em vista.
«Acredito que há muitas empresas que nos visitam por termos um instrumento de investimento específico para aquele mercado e que é significativo. São 94 milhões de euros», disse.

Depois de Moçambique, Angola surge em segundo lugar, juntamente com o Brasil, entre os mercados mais procurados pelas empresas que consultam a Sofid.
Os restantes países lusófonos «não têm tanta expressão e todos têm os seus constrangimentos», disse o responsável da Sofid, exemplificando com a pequena dimensão e a insularidade de São Tomé e Príncipe e com a instabilidade da Guiné-Bissau, onde chegou a ser aprovado um projecto que não avançou porque o promotor desistiu devido à crise política.

«No caso de Cabo Verde, pode haver oportunidades no turismo e no urbanismo», disse, referindo que a Sofid tem alguns projectos em avaliação nessas áreas.
Quanto a Timor-Leste, apesar da insularidade, da imaturidade política e da distância, Diogo Gomes de Araújo vê oportunidades na constituição do fundo de petróleo: «Pode despertar uma série de oportunidades que podem ser aproveitadas pelas empresas portuguesas e, nesse caso, a Sofid estará junto delas para as apoiar e para as financiar».

Além dos países lusófonos, a Sofid tem projectos em países como Marrocos, Chile, Perú e Colômbia, assim como na África do Sul, onde existe uma importante diáspora portuguesa.
«A África do Sul tem uma diáspora portuguesa importantíssima, altamente bem posicionada», disse o responsável, afirmando que a Sofid está «bastante atenta» à diáspora empresarial portuguesa, onde há «uma grande oportunidade de investimento».

FONTE




Data: 2012-07-11

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família