Início > Artigo > Natureza iluminada



VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Natureza iluminada


Riquezas minerais, uma imensa variedade animal, plantas numa profusão de cores e formas. Se hoje a natureza exuberante do território brasileiro inspira movimentos de preservação do meio ambiente, em finais do século XVIII ela atraiu a atenção de naturalistas portugueses, que tentavam torná-la algo compreensível para os europeus civilizados, além de rentável para a Corte.

O “Mundo de Queluz” – símbolo do poder dos reinados de D. Maria I e de seu filho D. João VI – investigava o Novo Mundo e se perguntava como seria possível domar o exotismo de sua natureza e tirar o maior proveito possível das colônias ultramarinas. Mas como os portugueses utilizaram as luzes da razão para transformar o ambiente colonial em um conhecimento palpável? E que interesses moviam este esforço?

A centralização política era o objetivo comum dos Estados modernos da época, e isso passava pela legitimação do poder real. Em Portugal, o Palácio de Queluz comportava diversas concepções políticas, filosóficas e cortesãs dentro de um mesmo ambiente, o que constantemente exigia do monarca bastante esforço para consolidar o seu poder. Durante o reinado de D. José I (1750-1777), o marquês de Pombal comandara a economia e a política com mão de ferro, marcando profundamente a administração portuguesa. Depois da morte do rei, sua sucessora, D. Maria I, tinha pela frente o desafio de superar a influência pombalina. A mudança do regime teve por designação básica o nome de “Viradeira”, com o desligamento e mesmo a expulsão de pessoas ligadas ou identificadas com a política de Pombal. Para legitimar sua política reformista, a rainha contava com a decisiva atuação dos intelectuais.

CONTINUE A LER ESTE ARTIGO AQUI


 



Data: 2012-06-02

Artigos relacionados:

  • Camões com dendê
  • O que tem de Angola no Brasil e vice-versa?
  • Angola anexada pelos brasileiros?
  • África, o retorno
  • Frutos do mar
  • Comandante que incendiou o navio preso a 5 de Janeiro de 1863
  • Ex-escravos: migração da forma do Brasil para África

  •  Vídeo

    Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

     “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

     VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

     IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

     IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

     Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

     VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

     VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

     VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

     Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

     Mindelo e São Vicente com muita morabeza

     Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

     Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

     VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

     VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

     VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

     VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

     Porto de Luanda - 1955

     Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

     Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

    Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012