Início > Artigo > Luanda aposta no turismo



Luanda aposta no turismo


«ATÉ 2020, o pais deverá registar quatro milhões de turistas, criar um milhão de postos de trabalhos directos e indirectos e massificar um plano de mobilização a favor do turismo interno, para que os angolanos viajem mais por Angola adentro» - defendeu o ministro da Hotelaria e Turismo de Angola, Pedro Mutindi, na tomada de posse dos directores-gerais e adjuntos dos Pólos de Desenvolvimento Turístico.

«Devemos alicerçar no presente as bases técnico-orgariizativas para o futuro que almejamos atingir», disse Pedro Mutindi. O governante referiu também que, sendo o turismo a indústria da paz, é urgente uma mobilização em torno das acções do plano director do Turismo, da reformulação e adequação do pacote legislativo do sector. Isto para que «o país tenha uma maior dispon ibilidade na oferta de infra-estruturas de serviços e, consequentemente, preços competitivos, capazes de atrair e permitir a livre adesão dos turistas e visitantes com ofertas à altura dos vários segmentos do Turismo, e elevar para as prioridades o turismo social».

Tomaram posse os directores-gerais para Calandula. na província de Malange, Bacia do Okavango, no Kuando Kubango, e Cabo Ledo. Estas regiões turísticas foram recentemente criadas e aprovadas pelo Executivo angolano e os seus gestores foram nomeados por despacho presidencial.

Conciliar o Ambiente com a Economia
A directora do Pólo Turístico de Calandula, Kátia Rodrigues Lopes, espera realizar em primeira instância um diagnóstico e depois partir para a acção. «O grande objectivo é dinamizar o turismo interno, tendo consciência da grande diversidade que existe na província, que são as quedas de Calandula. Este projecto é faseado e neste sentido haverá todas as potencialidades», disse ao SOL.

A directora-geral releva o equilíbrio entre a Natureza e a acção humana: «É importante frisar que se trata de um projecto sustentável. Nós temos que agregar o ambiente, o social e o económico - e isso tem que estar ao nível da igualdade para o desenvolvimento do projecto», acrescentou.

O Pólo de Desenvolvimento Turístico do município de Calandula, que se situa a 85 quilómetros a norte da cidade de Malange, vai abranger uma extensão de 20 quilómetros de superfície de reserva fundiária para a construção de zonas económicas.
O pólo de Calandula destina-se à criação de uma área de atracção de investimentos em infra-estruturas turísticas, quer estatais, quer privadas. Vai ter unidades hoteleiras e serviços administrativos, o que contribuirá para o desenvolvimento acelerado do município e da província em geral.

O município de Calandula faz parte do denominado planalto do Congo, rico em flora, fauna e recursos hídricos. As quedas de Calandula constituem o maior ponto de atracção turística, mas a região dispõe de outros, como as quedas do Mbango-a-Nzenza ou de Mussuleje.

Já o Pólo de Desenvolvimento Turístico da Bacia do Okavango tem por objectivos a redução dos índices de pobreza, através da integração das comunidades, com a criação de empregos que poderão ser proporcionados a partir do desenvolvimento do turismo na região. A região onde se situa o pólo tem áreas classificadas em reservas parciais, com destaque para a comuna do Mucusso, rica em flora e fauna (como por exemplo leopardos, girafas, zebras, búfalos, palancas reais, javalis, cabras do mato, guelengues e avestruzes).

Os rios Cuíto e Kubango, são navegáveis, o que permite realizar pesca desportiva, o que é outro factor de atracção para os turistas.

fonte




Data: 2012-02-01

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Francisca Chambal

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Robledo Gioia

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Sandra Augusto

 VI CONGRESSO DA APLOP - Abertura do Painel I - Lídia Sequeira

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Adriano Rosamonte

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Augusto Fernando Cabi

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Madalena Neves

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Fernando Nunes da Silva

 Congresso Intercalar Portos CPLP - Rio de Janeiro – Domingos Fortes (1)

 “EXPERIÊNCIA DO PORTO DE LEIXÕES NA FORMAÇÃO PORTUÁRIA”- Matos Fernandes (1)

 IV Encontro de Portos da CPLP – Menção Honrosa a Lima Torres

 IV Encontro de Portos da CPLP - Sessão de encerramento - Franklim Spencer

 “GEOPOLÍTICA DO MAR” - Carlos Manuel Mendes Dias (1)

 Novo Porto do Dande - Domingos Fortes (1)

 IV Encontro de Portos da CPLP - Franklin Spencer

 «Há muito potencial de crescimento nas relações comerciais Portugal/Brasil» (1)

 Porto de Luanda - 1955

 III Encontro de Portos da CPLP - Adalmir José de Sousa

 III Encontro de Portos da CPLP – Apresentação da Mesa de Honra

 III Encontro de Portos da CPLP - Estudo de mercado - (13) – Debate

 Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012