Início > Artigo > Pesca nas ilhas trocada por agricultura, no continente



ILHÉUS DE MACHANGA, SOFALA, MOÇAMBIQUE

Pesca nas ilhas trocada por agricultura, no continente


As mudanças climáticas que se vêm registando no mundo e que também afectam Moçambique, estão a levar a que os ilhéus no distrito de Machanga, a sul da província de Sofala, procurem o continente para a prática de agricultura, uma vez que reduziram as capturas de peixe de que sobreviviam.

Assim, a pesca já não oferece produção suficiente para o efeito, dadas as baixas capturas que se registam em consequência também da destruição dos mangais, segundo referem os antigos residentes das regiões insulares de Chiloane, Nhagosso, entre outras, que estão a transferir-se para o continente, sobretudo para as áreas de Divinhe, Mutambanhe, entre outras para o cultivo de cereais.

O director dos Serviços Distritais de Actividades Económicas, Fernando Chimbuia, que revelou há dias o facto, à Reportagem da nossa Delegação da Beira, disse que para a presente campanha foram já planificados cerca de 26 mil hectares com uma produção prevista de 41 mil toneladas de culturas diversas.
Daquelas quantidades, disse, parte significativa pertence aos camponeses que vieram de algumas ilhas ao longo do distrito, principalmente nas culturas de mexoeira e milho dado que agora é o pico das chuvas.

Foram disponibilizadas três toneladas de sementes de milho, cinco de arroz e igual quantidade de mapira que foram entregues aos provedores para que possam vender simbolicamente.

Uma nova variedade de arroz está em experiência devido ao facto do distrito ser de pouca precipitação e semi-árido.

“Nesta campanha vamos aumentar as áreas de cultivo de milho e arroz, dado que há centenas de famílias que estão a transferir-se das ilhas para o continente para a produção agrícola, uma vez que a pesca, que era a base do seu sustento, já não garante a sobrevivência familiar’’- sublinhou Chimbuia.

Apontou as regiões insulares de Chiloane e Nhagosso, entre outras, que estão a transferir-se para o continente sobretudo para as áreas de Divinhe e Mutambanhe para o cultivo de cereais. Nos últimos tempos, a pesca não tem dado resultados positivos o que faz com que muitos ilhéus optem por zonas onde haja produção.

“Agora já existe um grande número de pescadores para além da introdução de artes nocivas à pesca, bem como a situação das mudanças climáticas, o que faz com que o pescado seja escasso e, consequentemente, leve a que a captura seja diminuta’’- disse o director distrital do SDAE.

Afirmou que os ilhéus, neste momento, apenas têm a pesca como complemento de algumas despesas e a produção agrícola como base.

Na campanha finda, o distrito havia planificado cerca de 22 mil hectares, mas foram preparados 24 mil, o que faz com que anualmente haja uma tendência crescente.

No distrito de Machanga, as regiões de Mutambanhe, no posto administrativo de Divinhe, e na sede distrital são as que mais produzem o arroz, estando agora as autoridades locais a monitorar para avaliar o seu grau poder germinativo. A mapira, de ciclo curto, regista uma redução porque é pouco preferido contrariamente ao milho e arroz.

fonte
 




Data: 2012-01-02

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família