Início > Artigo > O que são águas interiores?



PONTO DE INTERROGAÇÃO

O que são águas interiores?


O que são águas interiores? Pensamos logo em rios, lagos, cachoeiras... Nada disso é água interior. Na verdade, elas são águas do mar. Os rios e lagos têm disciplina jurídica à parte. Águas interiores são águas do mar que ficam aquém da linha de base do mar territorial. Vamos definir o que é linha de base do mar territorial.

Imaginem que isso é uma praia com essas baías, suas entrâncias. O mar territorial é uma faixa adjacente à costa que, segundo a Convenção de Montego Bay, pode chegar a 12 milhas marítimas. Há uma linha de base e uma linha de bordo. A linha de base é traçada na praia, na maré baixa, de forma a contornar a costa, e deixando de fora as reentrâncias, as baías, desde que tenham menos de 24 milhas marítimas de largura e tenham recorte igual a um semicírculo ou mais fechado. A linha de base também contorna os deltas e portos.

As ilhas distantes da costa, não representadas na figura, devem ter seu próprio mar territorial e sua própria linha de base. As águas interiores estão aquém da linha de base do mar territorial. De acordo com o regime jurídico das águas interiores na Convenção de Montego Bay, de o Estado exerce sua soberania ilimitada nelas. Nenhuma embarcação pode ali entrar sem autorização do Estado costeiro.

E o mar territorial, que é essa faixa de mar adjacente à costa, de até 12 milhas marítimas? Qual sua disciplina jurídica? A soberania exclusiva do Estado costeiro com uma única exceção: o direito de passagem inocente. Os navios de outros Estados precisam passar por essa faixa. É uma passagem contínua, rápida, que é o só passar. A convenção traz uma lista de atividades que removem o caráter inocente da passagem: manobra militar, propaganda, colocação de redes para pesca, uso de instrumentos de pesquisa, etc.

Qual extensão o mar territorial deveria ter? O Direito Costumeiro fixava um mar territorial de até 12 milhas marítimas. E os Estados proclamavam de forma unilateral. No século XVIII, o mar territorial tinha a extensão de 3 milhas marítimas, já que também era esse o alcance da artilharia costeira.

Na década de 40, Chile e Equador fixaram unilateralmente seu mar territorial em 200 milhas marítimas. Isso passou a ser um novo costume internacional, tanto que até os países nórdicos passaram a adotar. Os Estados que dependam economicamente do mar terão o direito de exercer soberania limitada naquela região. Isso se chama zona econômica exclusiva, que veremos adiante.

A ilha de base pode ser jogada para frente sempre que houver portos ou ilhas próximas. As ilhas que pertencem ao Estado, que não estão dentro de seu mar territorial, mas por motivos históricos, como Fernando de Noronha, que está longe, e tem mar territorial próprio.

fonte

 




Data: 2011-12-11

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família