Início > Artigo > Rovuma tem 10 vezes mais gás que Mpande e Temane



MOÇAMBIQUE

Rovuma tem 10 vezes mais gás que Mpande e Temane


As reservas de gás descobertas pelas multinacionais Anadarko e ENI ascendem a 30 triliões de pés cúbicos, o que representa uma ocorrência de 10 vezes mais das reservas de gás natural em exploração na província de Inhambane pela sul-africana Sasol.

Dados preliminares do Ministério dos Recursos Minerais (MIREM) indicam que a Bacia do Rovuma, no norte do país, possui quase 10 vezes mais reservas de gás natural que os blocos de Mpande e Temane, na província de Inhambane. Trata-se de reservas que podem ser exploradas durante mais de dois séculos, numa altura em que as pesquisas de hidrocarbonetos tendem a intensificar-se não só no Rovuma, mas também na Bacia de Moçambique.

Na Bacia do Rovuma, a americana Anadarko descobriu, no bloco um, reservas de gás natural avaliadas em cerca de 12 triliões de pés cúbicos, tendo, por sua vez, a italiana ENI descoberto pouco mais de 22 triliões de pés cúbicos de gás natural no bloco quatro. Estas descobertas representam um volume de reservas de aproximadamente 10 vezes os 3.5 triliões de pés cúbicos de gás natural em exploração em Mpande e Temane por parte da sul-africana Sasol.

O mega-projecto da Sasol está a ser expandido de modo a passar a produzir 183 gigajoules de gás natural por ano, numa iniciativa que está a demandar um investimento de 400 milhões de dólares americanos. As reservas de gás natural existentes no projecto da petroquímica Sasol permitem uma exploração de até 25 anos ininteruptos.

De acordo com o vice-ministro dos Recursos Minerais, Abdul Razak, os dados comparativos das reservas de gás de Mpande e Temane, em Inhambane, e dos blocos um e quatro, em Cabo Delgado, mostram o quão “grande são as mais recentes descobertas na Bacia do Rovuma e que a sua exploração deverá levar mais tempo ainda”.

Recorde-se que a primeira fase do projeto de gás da Sasol iniciou em Janeiro de 2004, com uma produção de 120 milhões. Com esta fase de expansão, o empreendimento passará a produzir 183 milhões de gigajoules, dos quais 36 milhões serão disponibilizados para o mercado moçambicano.

A pensar no mercado interno, Razak revelou que decorrem, neste momento, estudos com vista à transformação do gás natural em exploração em inhambane em gás de cozinha. Trata-se de um projecto que pretende tirar Moçambique da dependência em relação à África do Sul no que se refere ao abastecimento de gás doméstico.

O empreendimento de gás natural de Pande e Temane é um consórcio constituído pela Sasol Petroleum Temane (filial moçambicana Sasol) com 70%, a CMH com 25% e a Sociedade Financeira Internacional (IFC) do grupo Banco Mundial com os restantes 5%.

FONTE

 




Data: 2011-11-11

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Sandra Augusto

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família