Início > Artigo > Programa de contingência do governo angolano protege o ambiente em caso de derrames



Programa de contingência do governo angolano protege o ambiente em caso de derrames


O Plano Nacional de Contingência aprovado pelo Executivo garante ao país um controlo efectivo dos derrames de petróleo no mar e protecção do meio ambiente, assegurou ontem, em Luanda, o vice-ministro dos Petróleos, Aníbal Silva.

O vice-ministro dos Petróleos, que discursava na abertura de um seminário consagrado ao “uso de dispersantes e planos de contingência locais”, considerou que esses produtos têm contribuído de forma significativa para a protecção do meio ambiente.

O responsável disse estar preocupado com a ausência de um Plano de Contingência a nível dos principais portos no país, pelo que sugeriu a criação de planos de intervenção em função de áreas de jurisdição. “Angola possui um plano nacional de contingência e o respectivo orçamento desde 2008. A Comissão Nacional de Luta Contra Derrames de Petróleo pretende neste seminário avaliar os procedimentos e reforçar as medidas operacionais”, ressaltou.

O vice-ministro dos Petróleos, Aníbal Silva, frisou que as companhias petrolíferas devem reforçar as medidas de controlo e apoiar o combate a derrames de petróleo. “Temos realizado um seminário sobre mapas de sensibilidade ambiental para planos de contingência de derrames, com vista a fazer face aos incidentes que ocorrem em zonas de exploração”, referiu. Aníbal Silva considera crucial a realização de seminários, visando aumentar os conhecimentos teóricos e práticos, bem como a realização de exercícios regulares para o manuseamento de equipamentos no mar com rapidez, para o sucesso de operações desse género.

“A problemática dos incidentes com petróleo em zonas de exploração em ‘offshore’, como sucedeu no Golfo do México, em Abril do ano passado com a BP, devem servir de lição e casos para estudo”, acentuou. A Comissão Nacional de Luta contra o Derrame de Petróleos, que trabalha em parceria com instituições governamentais e empresas petrolíferas, é coordenada pelo Presidente da República, enquanto responsável do Conselho Nacional de Protecção Civil. É integrada pela ministra do Ambiente, na qualidade de coordenadora do Comité Técnico Executivo e pelo Ministro dos Petróleos, encarregado do Comando Nacional de Incidentes, apoiado por um secretariado. O representante da Associação Internacional da Indústria Petrolífera no Controlo do Ambiente, Jean Yves Huet, disse que os dispersantes apoiam a biodegradação quando acontece um derrame de petróleo.

“Angola ratificou todas as convenções internacionais para a protecção dos derrames de petróleo”, disse, considerando importante que o país realize acções de formação para manter o plano de contingência operacional.

FONTE




Data: 2011-11-09

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família