Início > Artigo > São Tomé e Príncipe já perdeu 4% do território para o mar



COP26

São Tomé e Príncipe já perdeu 4% do território para o mar


São Tomé e Príncipe já perdeu 4% do território devido à subida do nível do mar, uma consequência das alterações climáticas, disse o presidente são-tomense, na 26.ª conferência do clima das Nações Unidas (COP26), em Glasgow.

Carlos Vila Nova (na foto) disse que a ilha de Príncipe, mesmo fazendo parte da Reserva Mundial da Biosfera, está ameaçada, e que o conjunto do arquipélago, que tinha uma área de 1.001 quilómetros quadrados, atualmente só tem 960 quilómetros quadrados.

“Constatamos que 4% da área terrestre foi engolida pelo aumento do nível do mar devido ao aquecimento global”, disse.

A situação pode piorar se o aquecimento global continuar, acrescentou, pois “eventos extremos ao nível do mar que anteriormente ocorriam uma vez a cada 100 anos podem ocorrer todos os anos até o final deste século”.

Embora reconheça que as alterações climáticas afetam indiscriminadamente todo o mundo, o chefe de Estado confessou a impotência do país para agir sem o apoio financeiro dos países desenvolvidos.

“Com todas estas consequências dramáticas, as nações vulneráveis e os pequenos Estados insulares em desenvolvimento estão cada vez mais frustrados, pois os nossos pedidos e necessidade de colaboração continuam sem resposta de outras nações mais ricas e do G20”, afirmou.

O Presidente são-tomense urgiu os países a acelerarem os compromissos de financiamento aos países em desenvolvimento para tomarem medidas de mitigação e adaptação, os quais estão atrasados.

O acordo para os países desenvolvidos mobilizarem anualmente um total de cerca de 100 mil milhões de dólares (86 mil milhões de euros) em financiamento climático para apoiar os países em desenvolvimento foi celebrado em 2009 e, inicialmente, o objetivo era que fosse conseguido até 2020, mas só deverá acontecer em 2023.

“São Tomé e Príncipe tem visto pouco progresso na adaptação às alterações climáticas. Para isso, ainda precisa de um apoio forte e urgente para continuar a construir a resiliência das comunidades mais vulneráveis”, disse Vila Nova.

O país tem uma estratégia de transição para as energias renováveis e uma economia azul, garantiu.

“Mas não temos os meios para implementá-la e estamos numa corrida contra o tempo”, lamentou.

fonte


 



Data: 2021-11-06

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

  Portos do Brasil - NEWS

 Portos de Cabo Verde – News

 Portos de Moçambique – News

 Portos de Angola – News

 Portos de Portugal – News

 XII CONGRESSO DA APLOP | LUANDA, 2021 - Disponíveis todas as apresentações

 XII CONGRESSO DA APLOP | LUANDA, 2021 | Playlist com 23 vídeos no Youtube

 Acórdãos e Avisos da ANTAQ + Legislação avulsa

 Clipping com a actualidade dos portos brasileiros

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alberto Bengue, Presidente da APANG

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Miguel Matabel

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Alcídio Nascimento

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Ted Lago

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Fátima Alves

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Nuno Araújo

 XII Congresso da APLOP | Luanda, 2021 | Lucas Rênio

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012