Início > Artigo > Naufrágios no Mediterrâneo revelam nascimento da globalização no comércio



Naufrágios no Mediterrâneo revelam nascimento da globalização no comércio


A descoberta de várias embarcações antigas no Mediterrâneo reescrevem a história e revelam o nascimento da globalização no comércio.

Durante várias décadas, arqueólogos vasculharam o Mediterrâneo à procura de naufrágios de embarcações que afundavam nas antigas rotas de navegação. Agora, uma equipa de investigadores encontrou uma frota de naufrágios helénicos, romanos, islâmicos e otomanos que revelam o nascimento da globalização no comércio.

“Isto é verdadeiramente inovador, uma das descobertas mais incríveis do Mediterrâneo“, disse o líder da equipa de investigadores, Sean Kingsley, citado pelo The Guardian. Algumas das embarcações foram encontradas a 2.200 metros de profundidade. Os arqueólogos envolvidos na investigação salientam que estas descobertas podem ajudar a reescrever a história da forma como a conhecemos.

Uma das principais descobertas é um navio mercador otomano do século XVII, descrito como “um colosso absoluto”. O navio era de uma dimensão tão grande, que os especialistas dizem que cabiam no convés dois barcos de porte médio. A carga encontrada era pertencente a 14 culturas e civilizações.

O achado revela uma rota marítima de seda e especiarias anteriormente desconhecida, que vai da China à Pérsia, ao Mar Vermelho e ao leste do Mediterrâneo, escreve o jornal britânico The Guardian.

“Os bens e pertences das 14 culturas e civilizações descobertas, abrangendo num lado do mundo, China, Índia, Golfo Pérsico e Mar Vermelho e até ao oeste do norte de África, Itália, Espanha, Portugal e Bélgica, são notavelmente cosmopolitas”, realça Kingsley. “Com 43 metros de comprimento e uma carga de 1.000 toneladas, é um dos exemplos mais espetaculares de tecnologia marítima e comércio em qualquer oceano. O seu tamanho é igualado pela abrangência dos seus carregamentos”.

Entre a carga foram encontradas 360 peças de porcelana chinesa. Escondidos no porão, estavam os mais antigos cachimbos de barro otomano encontrados. Provavelmente eram ilícitos porque havia proibições severas contra a prática de fumar.

“Através do tabagismo e do café nos cafés otomanos, a ideia de recreação e sociedade educada – características da cultura moderna – surgiu. A Europa pode pensar que inventou noções de civilidade, mas as chávenas e bules de café destruídos provam que o ‘oriente bárbaro’ era mais pioneiro do que um remanso. O primeiro café de Londres só abriu portas em 1652, um século depois do Levante“, explicou ainda Kingsley.

fonte


 



Data: 2020-05-17

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Sandra Augusto

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012