Início > Artigo > Soyo conta com complexo de processamento do peixe



ANGOLA

Soyo conta com complexo de processamento do peixe


Vinte e quatro toneladas de pescado diverso serão processadas, anualmente, no complexo pesqueiro do município do Soyo, província do Zaire, cuja primeira pedra foi lançada dia 13.

 

O emprendimento,que deverá entrar em funcionamento em Maio de 2020, é uma iniciativa privada avaliada em USD 78 milhões. Vai criar 5.900 postos de trabalho directos e indirectos, segundo o administrador da empresa promotora “Seatag Pesca, LDA”, Alcatir Costa.

O responsável, que falava no acto testemunhado pelo governador provincial, Pedro Makita Armando Júlia, avançou que está prevista também a produção de seis mil toneladas de farinha e mil e 800 litros de óleo de peixe por ano, incluindo o processamento de três mil toneladas de peixe seco.

A unidade pesqueira ocupará uma área de oito hectares e contará com um cais, para a carga e descarga do pescado, oficinas para a reparação e manutenção de embarcações, postos de abastecimento de combustível e água, entre outras valências.

Alcatir Costa adiantou que o empreendimento estará dimensionado para a atracagem de 20 embarcações em simultâneo, sendo 12 de arrastos e oito de cerco, devendo contar ainda com área habitacional, administrativa, cadeia de frio e uma zona para a triagem do pescado e embalagem de conservas de sardinha e atum.

“ Teremos um estaleiro naval que servirá para manutenção e reparação de embarcações e para apoiar os empresários do sector neste domínio”, prometeu o administrador da referida empresa de direito angolano.

Uma área de cultivo de vegetais, frutas e outros produtos para o consumo interno, serviços administrativos, zona comercial, técnica e uma quadra multi-uso completam as valências a serem criadas neste complexo.

A fonte avançou que, para além de atender as necessidades do mercado nacional, a empresa prevê exportar o produto excedentário de modo a captar divisas, tendo sublinhado a sua contribuição na diversificação da economia nacional por via das obrigações fiscais.

Este é o primeiro projecto, com esta dimensão, a ser instalado na província do Zaire, que possui três municípios (Soyo, Nzeto e Tomboco) encravados na zona costeira e que detêm potencialidades no domínio pesqueiro e salineiro.

Na ocasião, o governador do Zaire, Pedro Makita Júlia, pediu aos investidores nacionais e estrangeiros a expandirem também as suas acções para os municípios do interior, com vista a impulsionar o desenvolvimento harmonioso da região.

A província do Zaire detém potencialidades económicas em todos os municípios e que se forem bem exploradas podem contribuir no desenvolvimento da região.

Para o governador, para além do Soyo, os municípios do interior (Cuimba, Mbanza Kongo e Nóqui) dispõem de recursos naturais como solos férteis, minerais, rios, entre outras riquezas que podem ser aproveitadas para catapultar o seu desenvolvimento.
 


 



Data: 2019-11-18

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)