Início > Artigo > Conselho Consultivo recomenda expansão das linhas férreas



ANGOLA

Conselho Consultivo recomenda expansão das linhas férreas


O Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB) prevê, para os próximos tempos, a abertura da rota Huambo/Caála, à semelhança do que acontece na província do Moxico (Luena /Luau), para dar resposta às necessidades das duas principais regiões do planalto central, com o melhoramento dos transportes de passageiros e de mercadorias.

 

A informação foi avançada esta semana à imprensa, pelo presidente do Conselho de Administração desta empresa pública, Luís Teixeira, por ocasião do Conselho Consultivo do Ministério dos Transportes, encerrado sexta-feira, sob o lema “Ligando os Angolanos. Ligando-nos ao Mundo”.

O gestor público disse que para a abertura da rota Huambo/Caála precisa-se de um comboio mais ligeiro e uma grande possibilidade de aceleração, ao contrário dos habituais, de modo a percorrer os 23 quilómetros de distância que separam as duas principais cidades do planalto central em apenas 30 minutos.

Luís Teixeira disse que um dos grandes desafios actuais do CFB tem a ver com a manutenção das infra-estruturas e dos equipamentos, a exploração e a rentabilização do sector dos transportes e da linha férrea, esta última, através do estabelecimento de parcerias com o sector empresarial, tendo em conta o desenvolvimento económico que se pretende alcançar.

Por este facto, informou que a instituição tem as atenções viradas à formação dos técnicos do CFB, bem como das questões de segurança da linha férrea, com a instalação do Sistema de Posicionamento Global (GPS, na sigla em inglês).

Criado a 27 de Novembro de 1902, o CFB possui uma linha férrea com 1.344 quilómetros de extensão, que parte da cidade portuária do Lobito (Benguela), passando pelo interior do país, atingindo o Luau, província do Moxico, ponto de ligação com as república Democrática do Congo e a Zâmbia.

O CFB tem 67 estações, do Lobito ao Luau, na fronteira com a RD Congo, e uma frota com 56 locomotivas, das quais 48 adquiridas a multinacional norte-americana General Electric (GE Transportation), e 89 carruagens, entre a 1ª, 2ª e 3ª classes.

Destas 67 estações, sete foram construídas em igual número de municípios da província do Huambo: Chinnjenje, Ucuma, Longonjo, Caála, Huambo, Chicala-Cholohanga e Cachiungo.

Com uma extensão territorial de 35 mil e 771 quilómetros quadrados. A província do Huambo possui uma população de dois milhões, 519 mil e 309 habitantes, distribuídos por 11 municípios.

fonte
 


 



Data: 2019-11-09

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012