Início > Artigo > Docas do Rio e Marinha promovem acções para melhorar o tráfego marítimo



RIO DE JANEIRO, BRASIL

Docas do Rio e Marinha promovem acções para melhorar o tráfego marítimo


Um grupo de trabalho formado por representantes da Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ), da Marinha do Brasil, da Praticagem e das empresas arrendatárias dos terminais conteineiros do Porto do Rio de Janeiro, esteve reunido na sede da CDRJ. O objetivo foi prosseguir com os estudos dos projetos que visam melhorar a eficiência da navegação nos canais de acesso ao porto e ampliar os sistemas de monitoramento do tráfego aquaviário da Baía de Guanabara.

O diretor-presidente da CDRJ, Francisco Antonio de Magalhães Laranjeira fez a abertura do encontro, conduzido pelo Gestor de VTMIS (Vessel Traffic Management Information System) do Porto do Rio de Janeiro, Marcelo Santiago Villas-Bôas, e que contou com a presença, entre outras, do Capitão dos Portos do Rio de Janeiro (CPRJ), Capitão de Mar e Guerra André Luiz de Andrade Felix.

Nesta reunião, o grupo discutiu dois projetos: a condução dos testes para homologação do software de calado dinâmico ReDRAFT®, desenvolvido pela empresa Argonáutica, bem como a sinalização náutica e balizamento dos canais de acesso de Cotunduba e da Barra Grande, cujo projeto será desenvolvido pela empresa Precursore, e que deverá contar com corridas de simulação a serem realizadas no Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias (INPH).

O Gestor do VTMIS aproveitou a oportunidade e apresentou aos membros do GT o andamento do projeto de implantação do VTMIS no Porto do Rio de Janeiro e que irá ampliar o sistema de monitoramento das embarcações em toda a área de interesse da Baía de Guanabara por meio de investimentos em infraestrutura que envolverá um centro de controle operacional e modernos equipamentos tais como estações remotas (radares, sensores e marégrafos), boias meteo-oceanográficas e câmeras de longo alcance, entre outros.

Já o projeto de sinalização náutica (presencial e virtual) apresentado prevê a inclusão de transceptores AIS AtoN nas boias hoje existentes e acrescentar novas boias com o mesmo dispositivo. O objetivo é promover uma navegação segura e eficiente das embarcações nos canais de acesso ao porto, agregando inovação tecnológica com redução de custos para implantação e manutenção.
 


 



Data: 2019-07-11

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)