Início > Artigo > Riquezas perdidas no mar



Riquezas perdidas no mar


A lista de galeões espanhóis que entre os finais do século XV e princípios do século XIX nunca chegaram ao porto é interminável. Em 2009, o governo espanhol fez uma estimativa das riquezas que se afundaram com eles. Segundo os seus cálculos, o ouro e a prata perdidos poderiam valer 100 mil milhões de euros, mas o seu verdadeiro valor é cultural e imaterial.

DOBRÕES E LINGOTES Um desses galeões que jazem no fundo do mar é o Nossa Senhora das Maravilhas, navio almirante da frota dos galeões da Terra Firme, afundado em 1656 nas Bahamas. Os dobrões e lingotes de ouro da imagem, recuperados em 1972 (antes de serem descobertos os principais destroços), provêm do seu tesouro.

fonte


 



Data: 2019-06-29

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)