Início > Artigo > Se 30% dos oceanos do mundo se converterem em santuários é possível proteger os oceanos?



Se 30% dos oceanos do mundo se converterem em santuários é possível proteger os oceanos?


Já há um mapa dos santuários necessários para proteger as espécies e os oceanos. Foi realizado por académicos e, segundo o The Guardian, é o primeiro plano detalhado que instrui os países para protegerem quase um terço dos oceanos do mundo até 2030, com cerca de 30% dos oceanos protegidos de toda e qualquer actividade humana.

“A velocidade com que o alto mar tem sido esvaziado de muito da sua espectacular e icónica vida selvagem tomou o mundo de surpresa”, referiu um co-autor do estudo, Callum Roberts, da Universidade de York (na foto). Por isso, tornam-se necessárias medidas que já estão a ser tomadas pela campanha apoiada pelo Governo do Reino Unido e em colaboração com as universidades de Oxford e York e o Greenpeace, há um ano. Desde a primeira reunião com as Nações Unidas, em Setembro de 2018, que aguardam uma decisão final para o próximo ano.

“Desde as alterações climáticas à sobrepesca, os oceanos do mundo estão a enfrentar uma série de desafios sem precendentes”, comentou o Secretário do Ambiente, Michael Gove. “É agora mais importante do que nunca tomar medidas e certificarmo-nos que os nossos mares são saudáveis, abundantes e resilientes. Junto-me à Greenpeace na chamada do Reino Unido e de outros países para proteger pelo menos 30% dos oceanos do mundo até 2030”.

Independentemente da saúde da vida marinha, os investigadores têm concluído que a saúde dos mares tem também um papel essencial na protecção do planeta contra as alterações climáticas, através da captura de carbono que os oceanos têm levado a cabo.

Alex Rogers, da Universidade de Oxford, mencionou a “criação de reservas marinhas” como fundamentais “para proteger e conservar a diversidade da vida marinha. O relatório apresenta um projecto confiável para uma rede global de áreas marinhas protegidas em alto mar com base no conhecimento acumulado ao longo dos anos por ecologistas marinhos sobre a distribuição de espécies, incluindo as ameaçadas de extinção, habitats conhecidos por serem biodiversidade e ecossistemas únicos.

Aprovar o Tratado do Oceano das Nações Unidas no próximo ano seria um grande passo e “daria à vida selvagem e aos habitats espaço não apenas para se recuperar, mas para florescer”, o que prova ser esta uma “saída” possível, segundo Sandra Schoettner, da campanha global dos santuários oceânicos do Greenpeace. “Os nossos oceanos estão em crise, mas tudo o que precisamos é de vontade política para protegê-los antes que seja tarde demais”, concluiu.

fonte


 



Data: 2019-05-13

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012