Início > Artigo > São Tomé e Príncipe e Congo querem cooperar nas pescas



São Tomé e Príncipe e Congo querem cooperar nas pescas


São Tomé e Príncipe e a República do Congo vão cooperar nos domínios da agricultura, pecuária, florestas e pescas, segundo um acordo assinado entre os governos dos dois países.

 

Segundo fonte do executivo são-tomense, o documento foi rubricado pelo ministro da Agricultura, Pescas e Desenvolvimento Rural, Francisco Ramos, e pelo seu homólogo congolês, Henri Djombo, que concluiu uma visita de trabalho de quatro dias ao país.

“Encontramos pontos comuns em agricultura, pecuária, pesca, aquacultura e florestas e fizemos também uma ligação com o setor do comércio, que jogará um papel fundamental neste acordo”, disse Francisco Ramos.

No âmbito da agricultura, o documento estabelece a partilha de informações no domínio da investigação e desenvolvimento, intercâmbio de peritos nas áreas da agricultura, particularmente na caracterização vegetal, luta contra doença das culturas e fornecimento de material genético de qualidade e a formação e assistência técnica.

“Hoje São Tomé e Príncipe é considerado pelas técnicas modernas da produção de cacau e sua transformação e o Congo vai aproveitar também dessa nossa experiência para desenvolver a sua cultura de cacau”, explicou o governante.

Outro aspeto assente entre as duas partes é o fornecimento pelo Congo de área e madeiras para a construção civil em São Tomé e Príncipe.

“Atualmente temos uma forte pressão nas nossas florestas, as pessoas que vivem deste negócio estão a invadir as florestas virgens e protegidas e o Governo precisa de encontrar solução para esses problemas, por isso pretendemos comercializar madeiras de Congo para São Tomé e Príncipe”, explicou o titular da Agricultura.

No domínio das pescas, dois países acertaram a autorização de pescas na zona económica exclusiva de acordo com a legislação em vigor em ambos os países. Serão igualmente reforçados o controlo de vigilância marítima na região através das declarações das licenças emitidas aos navios.

Os dois países mantem relações de cooperação há vários anos que, entretanto, nunca funcionaram, prometendo os dois governos “fazer uma reviravolta” nesse sentido.

“Geralmente nós assinamos e esquecemos de fazer o seu seguimento, por isso já criamos uma comissão de seguimento e já estamos a delinear as estratégias para a sua rápida implementação”, explicou Francisco Ramos.

fonte
 


 



Data: 2019-05-13

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012