Início > Artigo > Guterres insta países a agarrarem oportunidades da iniciativa «Uma Faixa, Uma Rota»



Guterres insta países a agarrarem oportunidades da iniciativa «Uma Faixa, Uma Rota»


O Secretário-geral da ONU, António Guterres, considera que a iniciativa chinesa "Uma Faixa, Uma Rota" ajudará muitos países a alcançarem os seus objetivos de desenvolvimento sustentável, instando-os a "aproveitar bem" as oportunidades.

"A iniciativa pode trazer benefícios tangíveis para a vida dos diferentes povos", afirmou durante a sua intervenção na abertura do Segundo Fórum "Uma Faixa, Uma Rota".

Guterres afirmou que a ONU "apoiará plenamente" os processos daquele gigantesco projeto internacional de infraestruturas lançado pela China que considerem o meio ambiente.

O líder da ONU alertou que a globalização e a "quarta revolução industrial causaram problemas para boa parte da população mundial" e que o "aumento da temperatura e do nível do mar no planeta" estão a chegar a um nível "sem precedentes".

"O desenvolvimento nas mudanças climáticas é mais rápido do que as ações que estão a ser tomadas", afirmou, apontando que os grupos mais vulneráveis são as primeiras vítimas.

O português reconheceu, contudo, que há cada vez mais governos, cidades e empresas conscientes da necessidade de lutar contra as alterações climáticas.

"Devemos realizar uma transformação do modelo de vida e mobilizar os recursos para o objetivo do desenvolvimento sustentável", afirmou.

António Guterres prometeu que a ONU, "para além de fazer discursos, tomará ações reais".

O Presidente chinês, Xi Jinping, inaugurou hoje oficialmente o Segundo Fórum "Uma Faixa, Uma Rota", onde participam 37 chefes de Estado ou de Governo.

Marcelo Rebelo de Sousa vai participar entre hoje e 27 de abril no fórum, e realizar uma visita de Estado, na segunda-feira. No mesmo dia, segue para Xangai, a "capital" económica do país. A visita termina a 01 de maio, em Macau.

Críticos da iniciativa chinesa têm alertado que os planos chineses subverterão a atual ordem internacional e alargarão a esfera de influência de Pequim - os países aderentes ficarão encurralados pelo investimento chinês, tornando-se Estados vassalos, permitindo à China exportar o seu excesso de capacidade industrial ou poluição.

A grande visão geoeconómica da China inclui uma malha ferroviária e autoestradas a ligar a região oeste do país à Europa e Oceano Índico, cruzando Rússia e Ásia Central, e uma rede de portos em África e no Mediterrâneo, que reforçarão as ligações marítimas das prósperas cidades do litoral chinês.

Pelo caminho, estão a ser erguidos aeroportos, centrais elétricas e zonas de comércio livre, visando dinamizar o comércio e indústria em regiões pouco integradas na economia global.

fonte
 




Data: 2019-05-04

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)