Início > Artigo > Alunos constroem embarcação autónoma para mapear fundo do mar



Alunos constroem embarcação autónoma para mapear fundo do mar


Alunos do Corpo de Cadetes da Universidade Texas A&M projectam uma embarcação para mapear o fundo do mar, mais sustentável e rápida que as existentes, especialmente para portos.

Cinco alunos de engenharia marítima do Corpo de Cadetes da Universidade Texas A&M, em Galveston, entre os quais James Payne (electrónica e líder de equipa,), Leland Murphy (arquitectura naval), Frank Merkle (logística), Corey Staph (sonar e propulsão) e Alec Rappleyea (sistemas de energia renovável), estão a construir uma embarcação autónoma de 2,5 metros que pode mudar o paradigma do mapeamento do fundo do mar, segundo o Maritime Executive.

A equipa, que já está a preparar o projecto para apresentar a potenciais clientes, recebeu recentemente fundos da organização de pesquisa MARIN, na Noruega, para auxiliar na capacidade da bateria. E a mesma recomenda a embarcação especialmente a organizações como a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos Estados Unidos (NOAA, no acrónimo inglês)) e a empresas do sector de petróleo e gás, mas o seu principal mercado são os portos, como o porto de Galveston, onde urge mapear com frequência para estudar alterações do mar.

“Estamos a construir uma embarcação de dois metros e meio com funções autónomas e uma interface de utilizador por cerca de 1.060 euros, enquanto outras empresas, que pesquisam este tipo de embarcações, investem 100 vezes mais. Se obtivermos sucesso com a embarcação, ela reduzirá significativamente os custos de mapeamento oceânico e permitirá mapear o fundo oceânico com muito mais rapidez”, referiu Alec Rappleyea.

A embarcação utilizará electrónica de amadores (ou seja, microcontroladores, rádios de baixa frequência, módulos de GPS). As capacidades iniciais da embarcação incluem operação manual e autónoma: controlo manual de aproximadamente um quilómetro e operação autónoma fora da faixa de comunicação. Actualmente, apenas 5% do fundo do oceano está mapeado, e a um grau considerado utilizável para exploração.

Isto porque os processos de navios multimilionários com altas despesas em alimentos, combustível, trabalhadores, seguros e reparações limitam a exploração, explica Alec Rappleyea. Pelo que é necessário, na sua opinião, embarcações que mapeiem simultaneamente ao mesmo custo de um navio apenas. Prevê-se que a embarcação esteja operacional até final de Março.

fonte


 



Data: 2019-03-23

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)