Início > Artigo > Conselho de Segurança debateu crimes marítimos pela primeira vez



Conselho de Segurança debateu crimes marítimos pela primeira vez


Os crimes marítimos transnacionais foram debatidos no Conselho de Segurança das Nações Unidas, o que sucedeu pela primeira vez na história da organização. Na ocasião, foi ouvido o Director Executivo da Agência das Nações Unidas Contra a Droga e o Crime (UNODC, na sigla inglesa), Yury Fedotov, que alertou o Conselho de Segurança para o facto de este tipo de crimes estará em expansão e a tornar-se cada vez mais sofisticado.

De acordo com Fedotov, os grupos de criminosos exploram os grandes espaços abertos que são os oceanos. Ocupando dois terços do planeta, quase todos correspondentes a áreas marítimas fora da jurisdição dos Estados, os oceanos são aproveitados por esses grupos, que beneficiam do princípio da liberdade de navegação para desenvolverem actividades criminosas e assim ameaçarem a segurança das populações e do transporte marítimo internacional e a sustentabilidade ambiental, bem como a paz internacional.

Entre os crimes mais identificados pela UNODC constam a pirataria marítima e assaltos à mão armada no alto mar no Golfo da Guiné, o rapto de pessoas para resgates no Mar das Celebes e Ilhas Sulu, o tráfico de migrantes e material para terroristas no Golfo de Áden, o tráfico de cocaína no Atlântico e no Pacífico Oriental e de heroína no Índico, a pesca ilegal no Atlântico, Índico e Pacífico e o tráfico de migrantes no Mediterrâneo.

No debate sob a presidência da Guiné Equatorial e dirigido pelo respectivo ministro dos Assuntos Externos, Simeon Oyono Esono Angue, Fedotov enfatizou a importância de todos os Estados ratificarem e implementarem os compromissos internacionais nesta matéria, incluindo a Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional (em vigor desde 2004, com 147 Estados subscritores, considerado insuficiente) e os seus protocolos posteriores e de prestarem assistência técnica quando necessário.

Desde 2009 que a UNODC tem no terreno um Programa Global contra os Crimes Marítimos, criado na sequência de planos das Nações Unidas contra a pirataria marítima na Somália. Actualmente, o programa contempla um vasto leque de iniciativas, entre as quais a construção de instalações em países necessitados (Tribunais, prisões, postos policiais) e a formação a guardas costeiros em vários Estados, para o que tem destacados cerca de 20 peritos em todo o mundo.

fonte


 



Data: 2019-02-16

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)