Início > Artigo > Maersk anuncia neutralidade carbónica para 2050



Maersk anuncia neutralidade carbónica para 2050


A Maersk quer atingir a neutralidade carbónica em 2050; para tal os navios neutrais em termos de carbono deverão ser comercialmente viáveis em 2030. Este objectivo requer igualmente uma aceleração em matéria de inovação e de adaptação de novas tecnologias ao transporte marítimo, segundo a empresa, que desde 2007 reduziu as suas emissões de CO2 em 46%, face a padrões desse ano, o que significa 9% acima da redução média das emissões pela indústria.

Face ao facto de o tempo de vida útil de um navio ser de 20 a 25 anos, este é o momento para desenvolver os novos tipos de navios que estarão a cruzar os mares em 2050. E nesse aspecto, “os próximos 5 a 10 anos serão cruciais”, refere Søren Toft, Chief Operating Officer da A.P. Moller – Maersk. Segundo este responsável, nos últimos 4 anos, a Maersk investiu cerca de 880 milhões de euros e comprometeu 50 engenheiros, anualmente, no desenvolvimento e instalação de soluções energéticas eficientes. E acrescentou que a empresa “investirá recursos significativos em inovação e tecnologias na frota, para melhorar a viabilidade técnica e financeira de soluções descarbonizadas”.

Søren Toft considera também que “a única forma de alcançar a tão necessária descarbonização nesta indústria é pela total transformação orientada para os novos combustíveis e cadeias logísticas neutras em carbono”. Nesse sentido, a empresa espera induzir investigadores, investidores, fabricantes, carregadores e legisladores a envolverem-se fortemente e a patrocinarem soluções sustentáveis. Já no próximo ano, a Maersk planeia promover um diálogo aberto e colaborativo com todas as partes possíveis. O objectivo será congregar todos em redor de uma questão importantíssima, que é a das alterações climáticas.

fonte


 



Data: 2018-12-10

 Vídeo

Sobrevoando a Restinga e a cidade do Lobito (Angola)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Francisca Chambal

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Robledo Gioia

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Sandra Augusto

 VI CONGRESSO DA APLOP - Abertura do Painel I - Lídia Sequeira

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Adriano Rosamonte

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Augusto Fernando Cabi

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Madalena Neves

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Fernando Nunes da Silva

 Congresso Intercalar Portos CPLP - Rio de Janeiro – Domingos Fortes (1)

 “EXPERIÊNCIA DO PORTO DE LEIXÕES NA FORMAÇÃO PORTUÁRIA”- Matos Fernandes (1)

 IV Encontro de Portos da CPLP – Menção Honrosa a Lima Torres

 IV Encontro de Portos da CPLP - Sessão de encerramento - Franklim Spencer

 “GEOPOLÍTICA DO MAR” - Carlos Manuel Mendes Dias (1)

 Novo Porto do Dande - Domingos Fortes (1)

 IV Encontro de Portos da CPLP - Franklin Spencer

 «Há muito potencial de crescimento nas relações comerciais Portugal/Brasil» (1)

 Porto de Luanda - 1955

 III Encontro de Portos da CPLP - Adalmir José de Sousa

 III Encontro de Portos da CPLP – Apresentação da Mesa de Honra

 III Encontro de Portos da CPLP - Estudo de mercado - (13) – Debate

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)