Início > Artigo > Linha férrea Tete-Macuse entre as prioridades do Executivo moçambicano para 2019



Linha férrea Tete-Macuse entre as prioridades do Executivo moçambicano para 2019


De acordo com o jornal ‘O País’, o Ministério dos Transportes e Comunicação moçambicano planeia viabilizar a a construção da Linha Férrea Chitima–Macuse, entre as províncias de Tete e Zambézia.

 

Segundo relata o jornal moçambicano, foi a vice-ministra dos Transportes e Comunicações de Moçambique, Manuela Rebelo, que revelou a intenção do Executivo em dar luz verde ao projecto, que deverá arrancar já em 2019.

Construção da linha férrea Tete-Macuse entre as prioridades do Executivo moçambicano

O portal ‘Macauhub’ ampliou a notícia do jornal O País, dando eco às palavras de Manuela Rebelo, proferidas durante um encontro de funcionários do ministério que. Para a vice-ministra, «reabilitar as linhas férreas Machipanda e Ressano Garcia, iniciar a construção da linha férrea Tete-Macuse e o respectivo porto (…) viabilizar o aeroporto internacional de Nacala, são algumas das acções previstas para 2019»

Recorde-se que o Executivo de Moçambique concedeu – há cinco anos atrás – à empresa tailandesa Italthai Engineering (detentora de 60% da Thai Mozambique Logistics) a concessão (construção, exploração e restantes operações) do porto e da ferrovia de Macuse, localizada a 35 quilómetros a norte de Quelimane, capital da província central da Zambézia.

Ligação férrea terá extensão de 620 quilómetros e custará 2,4 mil milhões de dólares

A linha férrea que vai ligar Macuse às minas de Moatize e Chitima terá uma extensão de 620 quilómetros, sendo idealizada para garantir o escoamento de carvão a partir da província de Tete, no interior de Moçambique. A empreitada custará cerca de 2,40 mil milhões de dólares e será executada por um consórcio em que participam a construtora China Machinery Engineering e a Mota-Engil. As obras terminarão em 2021.

O porto de Águas Profundas de Macuse terá capacidade para receber navios de grande calado que vão transportar principalmente carvão mineral e servir países vizinhos de Moçambique sem acesso directo ao mar.

fonte


 



Data: 2018-08-30

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)