Início > Artigo > Pescas elabora estratégia para melhor gestão dos recursos marinhos



ANGOLA

Pescas elabora estratégia para melhor gestão dos recursos marinhos


O Ministério das Pescas e do Mar está a elaborar uma estratégia nacional, que define os objectivos, medidas e acções direccionadas aos diversos sectores com intervenção no mar, com vista a uma melhor utilização, gestão, exploração e preservação do mar.

A informação foi avançada pela ministra das Pescas e do Mar, Victória de Barros Neto, que falava no workshop que assinalou o 08 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos.

Justificou que Angola, até muito recentemente, não possuía um órgão com a missão de tratar as mais variadas questões relacionadas ao mar.

Com a criação do Ministério das Pescas e do Mar, os assuntos do mar passam a ter maior relevância, tornando-se urgente o estabelecimento da referida estratégia.

De acordo com a ministra, entre outras acções, serão estabelecidas plataformas comuns com os demais departamentos ministeriais para que em conjunto se encontre soluções viáveis para a resolução das questões transversais que incidem sobre uma melhor utilização, gestão, exploração e preservação do mar.

No quadro desta iniciativa, foi assinado hoje um protocolo de cooperação para conservação, protecção e gestão do ecossistema marinho de Angola, entre os ministérios das Pescas e do Mar e do Ambiente, com a finalidade de auxiliar o titular do poder Executivo nesta tarefa, segundo Victoria de Barros Neto.

Com esta medida, a governante acredita que o país estará em melhores condições para perspectivar o desenvolvimento da “economia azul”, acautelando os impactos negativos no ecossistema marinho.

A iniciativa prevê um trabalho de inclusão e consciencialização deverá ser desenvolvido junto do sector privado que opera directamente nestas áreas, para uma exploração responsável e sustentável dos recursos.

Victoria de Barros Neto disse ainda ser fundamental uma fiscalização eficaz , tendo em conta os níveis de poluição dos mares causada por diversas fontes, em particular o abandono de objectos de plásticos.

Referiu que, o abandono de plásticos constitui, actualmente, um dos graves problemas com que se debatem os oceanos.

Apegando-se nas recentes declarações do secretário geral da ONU, António Guterres, que apelou ao fim da poluição plástica, referiu que todos os anos são usadas até 500 biliões de embalagens plásticas descartáveis e para o efeito, são utilizados 17 milhões de barris de petróleo para produzir garrafas plásticas, entre quais, mais de oito milhões acabam nos oceanos.

Tendo em conta que a taxa média global de reciclagem desses produtos é apenas de 25%, significa que existe um volume enorme de lixo plástico descartado , que vai sufocando os oceanos e ameaçando a fauna marinha vulnerável.

Angola dispõem de mais de mil e 650 quilómetros de costa, de abundantes e ricos recursos marinhos e uma diversidade biológica.

fonte


 



Data: 2018-06-17

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)