Início > Artigo > Moçambique poderá ser «grande interveniente» na revolução dos caminhos-de-ferro africanos



Moçambique poderá ser «grande interveniente» na revolução dos caminhos-de-ferro africanos


Num artigo publicado no serviço de informação China-Lusophone Brief, que dá destaque à informação relativa à China e aos países de língua portuguesa, Moçambique é tido como um país que poderá vir a ter um papel a desempenhar na segunda onda de construção de linhas de caminho-de-ferro em África.

 

A peça, intitulada «Grande investimento, mas uma estratégia pouco clara para o carvão de Moatize», lembra que a grande parte das linhas de caminho-de-ferro que hoje compõem a infra-estrutura ferroviária do continente africano foi construída com o propósito de transportar matérias-primas o mais depressa possível para a costa e desta para as fábricas em outras partes do mundo.

Segunda revolução nos caminhos-de-ferro africanos em marcha

Negligenciado, no passado, o potencial do comércio efectuado entre países africanos produtores de matérias-primas, explica o artigo que o futuro reservará uma mudança de paradigma – a tal segunda onda de construção de linhas de caminho-de-ferro de que a peça fala presta maior atenção às necessidades reais dos países africanos. Para o autor, Moçambique poderá deter uma papel de destaque nesta mudança de abordagem à conectividade ferroviária.

«Moçambique poderia ser um dos grandes intervenientes nesta segunda revolução ferroviária, dado que, embora as linhas de caminho-de-ferro que detém sirvam fundamentalmente para transportar carvão, poderão servir igualmente para apoiar o crescimento do comércio trans-fronteiriço», revela o artigo, que lembra que as ligações que transportam carvão da África do Sul e do Botswana podem também carregar variados produtos.

Artigo não esquece preponderância de Nacala

As conexões ferroviárias que existem no região centro-norte do país podem ser igualmente utilizadas para transportar os produtos que os países sem acesso ao mar da região, casos do Malawi e Zimbabué, precisam de exportar, como explica também o portal de informação ‘Macauhub’. O artigo não esquece também a linha de Nacala e a sua conectividade com os caminhos-de-ferro do Malawi rumo a Moatize.

fonte


 



Data: 2018-05-30

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)