Início > Artigo > Pirataria no Golfo da Guiné preocupa armadores europeus



Pirataria no Golfo da Guiné preocupa armadores europeus


Os números da pirataria, especialmente os alusivos ao Golfo da Guiné, divulgados pelo IMB preocupam a ECSA, que continua a defender uma série de medidas a tomar pelos Estados costeiros.

Os dados divulgados em Maio pelo International Maritime Bureau (IMB) da Internacional Chamber of Commerce (ICC) sobre pirataria marítima, estão a preocupar a Associação Europeia dos Armadores da Marinha Mercante (European Community Shipowner’s Association, ou ECSA), particularmente no que se refere à zona do Golfo da Guiné.

Num documento publicado em 30 de Junho, a ECSA manifesta a sua preocupação com a sucessão de actos de pirataria, assaltos à mão armada e raptos para resgate no Golfo da Guiné, especialmente ao largo da Nigéria. E recordam que no primeiro trimestre deste ano, segundo o IMB, 67% dos 27 raptos de marítimos para resgate em todo o mundo ocorreram naquela área.

A esse propósito, Patrick Verhoeven, Secretário-Geral da ECSA considerou que “a insegurança marítima também perturba o fluxo comercial e tem um impacto directo na capacidade dos portos em servir como hub para partes do continente”, acrescentando que “uma situação de défice de segurança impõe custos elevados às exportações e importações e coloca empregos e actividade económica em risco”.

Nesse sentido, a ECSA apoia diversas medidas para melhorar a segurança no Golfo da Guiné, como a protecção adequada por parte dos Estados costeiros, a investigação sobre a potencial utilização de segurança privada a bordo pelas autoridades desses Estados, a instauração de processos contra autores de actos de pirataria e assaltos à mão armada e a implementação de sistemas judiciais eficazes, boa coordenação dos agentes de aplicação da lei e um mecanismo eficiente de informação e resposta incidentes.

Paralelamente, a ECSA apoia iniciativas destinadas a aumentar a capacidade dos Estados costeiros e encoraja-os a assumirem as suas responsabilidades e a cumprir as suas obrigações no quadro da lei internacional, neste caso, a United Nations Convention of the Law of the Sea (UNCLOS).

fonte


VEJA UMA PLAYLIST COM DEZENAS DE VÍDEOS DO LOBITO, CATUMBELA E BENGUELA, CLICANDO NA IMAGEM

Lobito 2013 NO FACEBOOK - CENTENAS DE FOTOS E VÍDEOS



Data: 2017-07-10

 Vídeo

PLAYLIST DE VÍDEOS LOBITO 2013

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)