Início > Artigo > Câmara dos despachantes aponta relevâncias da Pauta Aduaneira 2017



ANGOLA

Câmara dos despachantes aponta relevâncias da Pauta Aduaneira 2017


O presidente da Câmara dos Despachantes Oficiais de Angola, Pedro Bequenque (na foto) considerou, em Luanda, que a proposta do projecto da Pauta Aduaneira versão 2017 do Sistema Harmonizado da Organização Mundial das Alfandegas (OMA), vai tornar mais célere a tramitação das mercadorias e a promoção do desenvolvimento da economia nacional.

Pedro Bequengue que falava à Angop, à margem do Fórum de auscultação da proposta do projecto da Pauta Aduaneira 2017, manifestou satisfação com os elementos contidos no novo diploma, fruto das discussões prévias tidas com os serviços das alfandegas de Angola.

“ O nosso ponto de vista com relação a Pauta Aduaneira 2017 é satisfatório, porque parte do que consta neste instrumento foi discutido na Pauta 2014 com exaustão, e nesta, que entrará em vigor, encontramos incluído todos os elementos previamente propostos”, afirmou.

A maior satisfação dos despachantes, disse, é a classificação dos veículos automóveis e motorizados que na pauta ainda em vigor (2014 ) é feita pelo tipo de viaturas enquanto na nova versão de 2017, será pela cilindragem e taxação gradual, no âmbito do Sistema Harmonizado da OMA, em vigor desde o dia 01 de Janeiro deste ano.

O benefício do desalfandegamento prévio de mercadoria constitui também uma outra vantagem apontada pelo presidente da Câmara dos Despachantes Oficiais de Angola.

Segundo disse, este regime aduaneiro prévio, que antes abrangia apenas mercadorias tidas como “especiais”, nesta versão 2017 abarca todo tipo de mercadorias, um facto que vai permitir maior celeridade no processamento das mesmas do “mar para a terra” e o asseguramento da cadeia logística do país.

O desagravamento de algumas mercadorias alistadas na Pauta Aduaneira 2017, é outro aspecto que motiva a classe empresarial a efectuar mais importação e exportação de produtos, acrescentou.

De referir que na Pauta Aduaneira 2017, a exportação de mercadorias não produzidas no país (mercadorias importadas) são sujeitas a direitos aduaneiros na taxa de exportação de 20%.

A taxa de serviços à exportação, na versão de 2017, foi desagravada de 1% para 0,5%, enquanto que a exportação de recursos mineiras sem transformação (mineiro bruto) está sujeita a direito aduaneiro taxados em 5%, de acordo com o Código Mineiro.

O fórum de auscultação que reuniu membros do Executivo, associações ligados aos sectores da indústria, agricultura, transportes foi prestigiada pelo ministro das Finanças, Archer Mangueira.


VEJA UMA PLAYLIST COM DEZENAS DE VÍDEOS DO LOBITO, CATUMBELA E BENGUELA, CLICANDO NA IMAGEM

Lobito 2013 NO FACEBOOK - CENTENAS DE FOTOS E VÍDEOS



Data: 2017-06-08

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)