Início > Artigo > Angola quer reforçar fiscalização marítima



Angola quer reforçar fiscalização marítima


Os recursos pesqueiros angolanos estão a reduzir-se, admitiu, em Luanda, a ministra das Pescas, Vitória de Barros Neto, que apontou a “melhoria do sistema de monitorização, controlo e fiscalização para combater a pesca ilegal”, como “medidas para a melhoria do padrão de exploração”.

“A nível mundial observa-se uma redução dos recursos marinhos vivos, que é muitas vezes atribuída à sobrepesca. Os recursos pesqueiros de Angola não estão fora desde quadro e por esta razão, nos últimos anos, as políticas do Ministério das Pescas têm sido no sentido de reduzir a capacidade da frota”, disse Vitória de Barros Neto, citada pela agência Lusa.

“Melhorar o padrão de exploração dos recursos marinhos do país, de modo a ter uma frota de pesca rentável, adaptada aos recursos disponíveis, é uma das apostas com este propósito”, disse.

De acordo com a ministra das Pescas, o efeito dessas estratégias na recuperação dos recursos muitas vezes não têm o impacto desejado por não se ter em conta a funcionalidade do ecossistema. As mudanças climáticas e os aspetos de poluição estão a tornar-se cada vez mais um desafio para a sustentabilidade dos oceanos e sistemas aquáticos”, afirmou a ministra angolana..

A intervenção da ministra foi feita na Convenção da Corrente Fria de Benguela (BCC, na sigla em inglês).

O seminário é uma promoção do Ministério das Pescas, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), visando determinar as prioridades de investigação pesqueira da região, desenvolver projetos de investigação a serem realizados na base da colaboração entre os cientistas dos três países africanos.

Segundo Vitória de Barros Neto, o grande desafio de Angola é ter um ecossistema saudável e produtivo.

“Por isso a Comissão da Corrente Fria de Benguela joga um papel preponderante. Na última conferência ministerial da BCC realizada, em dezembro de 2016, os países membros reforçaram a necessidade de promover a gestão regional do ecossistema, para garantir a saúde dos oceanos para benefício das gerações presentes e futuras”, explicou.

A par dos países africanos participam igualmente deste encontro o Instituto de Investigação Marinha de Bergen, da Noruega, que vai desenvolver investigações marinhas a bordo do navio de investigação “Dr. Fridjof Nansen”.

fonte


VEJA UMA PLAYLIST COM DEZENAS DE VÍDEOS DO LOBITO, CATUMBELA E BENGUELA, CLICANDO NA IMAGEM

Lobito 2013 NO FACEBOOK - CENTENAS DE FOTOS E VÍDEOS



Data: 2017-05-11

 Vídeo

PLAYLIST DE VÍDEOS LOBITO 2013

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família