Início > Artigo > Banco Mundial defende diminuição do esforço de pesca global no curto prazo



Banco Mundial defende diminuição do esforço de pesca global no curto prazo


Pescar menos, mas com mais qualidade, pode gerar, em média, benefícios para o sector das pescas estimados em 75,5 mil milhões de euros, revela o estudo The Sunken Billions Revisited – Progresses and Challenges in Global Marine Fisheries, do Banco Mundial (BM), datado deste ano, com base em dados de 2012.

O argumento utilizado pelo BM é o de que a redução da pesca permite a recuperação dos stocks de pescado sujeitos ao fenómeno da sobre pesca. Desta forma, os peixes ganham peso e, consequentemente, valor comercial, podendo gerar lucros entre 2,8 mil milhões e 81,3 mil milhões de euros.

Citando experiências consideradas de sucesso no Perú, em Marrocos, em ilhas do Pacífico e em países da África Ocidental, o BM admite que é possível diminuir o volume de pesca e, simultaneamente, melhorar as receitas das populações de zonas costeiras.

De acordo com o BM, em 2013, cerca de 90% das zonas pesqueiras monitorizadas pela Organizações das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO, acrónimo da expressão em inglês) em todo o mundo enfrentam um esgotamento de capacidade pesqueira ou um fenómeno de sobre pesca.

Em meados dos anos 70 do século passado esse valor era de 60% e em 2005 já era de 75%. E em 2009, um estudo da FAO sobre o desempenho económico mundial do sector das pescas (The Sunken Billions: The Economic Justification for Fisheries Reform), estimava em 47,3 mil milhões de euros o valor das perdas anuais do sector. Uma conclusão que serviu para estimular a discussão sobre a necessidade de reformar as pescas a nível global para recuperar deste prejuízo.

O BM defende que reduzir o esforço de pesca no curto prazo significa um aumento de capturas no longo prazo. Permitir a reversão dos stocks em declínio geraria, entre outros efeitos, um aumento da biomassa do pescado nos oceanos, crescimento das capturas anuais em 13% e uma subida do preço unitário do pescado em 24% (“graças à recuperação de espécies de maior valor, nas quais a depleção é particularmente severa”), refere o estudo.

No limite, se o esforço de pesca fosse reduzido a zero nos primeiros anos e depois mantido num nível óptimo, diz o estudo, os stocks subiriam rapidamente para mais de 600 milhões de toneladas em cinco anos, antes de caírem para um nível ideal. E reduzir o esforço de pesca global em 5% ao ano durante 10 anos, permitiria alcançar o nível ideal dos stocks num prazo de 30 anos, refere o mesmo estudo.

fonte


VEJA UMA PLAYLIST COM DEZENAS DE VÍDEOS DO LOBITO, CATUMBELA E BENGUELA, CLICANDO NA IMAGEM

Lobito 2013 NO FACEBOOK - CENTENAS DE FOTOS E VÍDEOS



Data: 2017-03-04

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)