Início > Artigo > Macau, foco de oportunidades de triangulação China-Portugal-Países de língua portuguesa



Macau, foco de oportunidades de triangulação China-Portugal-Países de língua portuguesa


Macau reúne condições para vir a tornar-se um ponto focal para a cooperação triangular entre a China e Portugal e países de língua portuguesa, na qual as autoridades portuguesas e chinesas manifestam estar apostadas.

Na conferência “Macau – Uma Ponte na Relação Económica entre a China e os Países de Língua Portuguesa”, em Lisboa, Nie Quan, conselheiro político da Embaixada da China em Lisboa, afirmou que a cooperação económica, um dos “cinco pilares” da “ponte” da Região Administrativa Especial, “já não se limita aos aspectos bilaterais”, estando-se a iniciar “projectos trilaterais.”

“Este mundo é cheio de incertezas, mas temos a certeza de que Macau tem estado a desempenhar um papel fundamental na aceleração das relações económicas entre a China e os países de língua portuguesa”, afirmou o diplomata chinês, ele próprio antigo residente em Macau.

Além do crescimento das relações económicas e comerciais, adiantou, a “ponte” de Macau sustenta-se nas suas características particulares: território bilingue, posição geográfica privilegiada, infra-estruturas e ambiente para o comércio, além dos laços históricos e culturais multisseculares com os países de língua portuguesa.

Outros pilares, adiantou Quan, são o reconhecimento do seu papel pelos países de língua portuguesa e o “apoio firme” do governo central da China ao papel de Macau relacionado com os países de língua portuguesa, apoiado com medidas específicas aprovadas nas conferências ministeriais do Fórum de Macau.

O último pilar é a própria “necessidade” de Macau diversificar a sua economia que, combinada com a “missão” conferida pelo governo central, cria as condições para que se tire o máximo partido da oportunidade criada.

Fernanda Ilhéu, investigadora do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) e coordenadora da China Logus (núcleo de consultoria do Centro de Estudos de Gestão do ISEG), salientou que Macau vai passar a albergar as instituições gestoras dos fundos da China para os países de língua portuguesa, o que pode ser benéfico para todas as partes, acentuando as oportunidades de cooperação triangular, numa altura em que começam a chegar ao terreno os investimentos da estratégia “Uma Faixa, Uma Rota.”

“Acho que todos nós queremos estar em conjunto com a China nesta faixa e nesta rota e para isso precisávamos que Macau tivesse um papel ainda mais activo, no relacionamento e conhecimento”, afirmou a investigadora.

Severino Cabral, presidente do Instituto Brasileiro de Estudos de China e Ásia-Pacífico (IBECAP), disse que a actual conjuntura traz também a oportunidade para que “Portugal ressurja”, tirando partido do “protagonismo pela relação especial com o universo chinês, através de Macau.”

“Macau, ao ser criado dentro desse conceito extraordinário de um país, dois sistemas, manteve o português como língua oficial (…) simboliza a criação do universo de língua e cultura chinesa e língua e cultura de língua portuguesa”, presente em vários continente, disse o académico brasileiro.

A conferência de um dia, de que a MacauHub foi parceiro de comunicação social, contou com a presença de responsáveis do sector financeiro, nomeadamente Pedro Cardoso do Banco Nacional Ultramarino, além de responsáveis do Banco Santander Totta, BCP Capital, Fosun, Energias de Portugal, Redes Energéticas Nacionais e Porto de Sines.

O encerramento esteve a cargo do Presidente da República português, que antecipou que 2017 pode vir a ser “um ano particularmente significativo no aprofundamento de relações” entre Portugal e a China, e que a aproximação chinesa é benéfica para a União Europeia.

“Tudo indica que é de esperar nos próximos anos um aprofundamento nas relações entre esse mundo e a China. E Portugal – presente nas três comunidades [União Europeia, Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e comunidade ibero-americana] – será um protagonista activo e importante nesse relacionamento”, disse.

“Só que o mundo é feito de adições, não de subtracções. Trata-se de adicionar novos vectores estratégicos. Portugal não está a descobrir a China pela primeira vez. Macau assim o demonstra”, adiantou o chefe de Estado português. (Macauhub)


VEJA UMA PLAYLIST COM DEZENAS DE VÍDEOS DO LOBITO, CATUMBELA E BENGUELA, CLICANDO NA IMAGEM

Lobito 2013 NO FACEBOOK - CENTENAS DE FOTOS E VÍDEOS



Data: 2017-03-04

 Vídeo

PLAYLIST DE VÍDEOS LOBITO 2013

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)