Início > Artigo > «Gás, petróleo, agricultura e turismo traçam futuro da CPLP»



MURADE MURARGY:

«Gás, petróleo, agricultura e turismo traçam futuro da CPLP»


Murade Murargy falou ao Dinheiro Vivo, em Lisboa, em vésperas de passar a pasta da CPLP a Maria do Carmo Silveira.
“No início foi difícil fazer amigos em Lisboa, eram todos muito reservados. No final, levo comigo muitos amigos.” Comentário de Murade Murargy, secretário executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em jeito de balanço de quatro anos de mandato. No final da missão, e prestes a passar a pasta para a sua sucessora, a são-tomense Maria do Carmo Silveira, que assume a pasta já na segunda-feira, é hora de fazer um balanço. Apesar de ainda faltar um longo caminho até alcançar a livre circulação de pessoas e mercadorias, que almejava desde que chegou ao cargo, é visível que a CPLP é hoje mais económica.

“Só agora os Estados membros ganharam consciência da necessidade de pôr a CPLP mais ativa, não só na política e na sociedade mas ao nível económico. Não foi fácil. Não basta dizer que a CPLP se vai virar para a economia, é preciso construir todo um quadro jurídico, o que tem implicações em termos de mobilidade”, conclui o embaixador de carreira e moçambicano de sangue. “É necessário que governos e empresários trabalhem juntos, primeiro a partir de cada país e depois tentando harmonizar as políticas. Ainda há muito a fazer…”, diz em jeito de mensagem à sua sucessora.

A recente crise do preço do petróleo afetou os mercados da comunidade, como Angola, Moçambique e Brasil, e acabou por atrasar algumas das metas definidas com vista à criação de uma verdadeira comunidade económica. “Atrasou o processo, mas atualmente há uma vontade política nesse sentido. A última cimeira da CPLP, que decorreu em Brasília, teve enfoque nesta área e, ao contrário do que eu estava à espera, o Brasil está muito empenhado em que a vertente económica e empresarial seja uma realidade. O ministro dos Negócios Estrangeiro do Brasil tem uma visão da CPLP muito mais dinâmica e concreta em objetivos a alcançar na economia.

Na opinião de Murade Murargy, é preciso inverter a perceção mundial acerca de alguns dos países membros da CPLP, nomeadamente africanos, visto como meros “recetores de doação e ajuda internacional, e devem trabalhar para serem encarados como países que podem participar na construção do bem-estar da comunidade. Não se pode estar de mão estendida!”, diz. Moçambique é um dos Estados membros que deverão mudar esse paradigma, considera. Até para assumir um papel importante no seio da CPLP. “Tem um potencial enorme e ao longo dos últimos anos tem descoberto recursos que não se sabia que existiam. A crise internacional afetou o país, bem como a instabilidade política que permanece e que é preciso resolver, e a dívida”, mas, mesmo assim, está otimista. “As previsões apontam para um alavancar do crescimento económico no primeiro ou no segundo trimestre deste ano, estou em crer que será um virar de página no desenvolvimento económico de Moçambique.” Aliás, “as empresas que estão a negociar os acordos para a exploração de gás no país estão hoje mais alinhadas e convencidas de que é preciso avançar”.

Contudo, “Moçambique precisa que a confiança se volte a estabelecer, no governo e nas instituições do Estado”, alerta, comentando os últimos casos de corrupção conhecidos no país e que afastaram os doadores internacionais. Mas estes poderão estar de regresso à nação durante este ano, segundo apurou o Dinheiro Vivo junto de vários observadores internacionais.

Estratégia para dez anos

O futuro constrói-se com transparência, economia e conhecimento, considera Murade Murargy. “Neste mandato, a primeira meta alcançada foi ter conseguido que os governos refletissem sobre o futuro da CPLP, e não foi fácil. Foi preciso traçar um plano para os próximos dez anos. A segunda conquista passou por todos terem consciência de que sem o desenvolvimento humano não há desenvolvimento económico dos países. É preciso que os Estados apostem no homem e nas capacitação das pessoas, na partilha do conhecimento e na mobilidade no espaço (embora ainda não esteja a funcionar). A terceira meta alcançada foi a aceitação e a consagração da vertente económica empresarial nos princípios e nos pilares da CPLP.”

Na estratégia a dez anos, na componente económica, destaca--se “o potencial energético dos nossos países, desde o gás ao petróleo, mas também recursos minerais; a agricultura, área em que a CPLP tem muito futuro; o turismo, em que podemos ser uma potência mundial; e o comércio internacional, através de ligações marítimas que podemos ter. Aliás, os mares e oceanos são outra das vertentes consagradas na nova visão estratégica para a CPLP”, acrescenta ainda. Como remata o embaixador: “A CPLP é jovem, tem 20 anos e muitos desafios pela frente.”

Futuro Cinco desafios para o novo mandato

Economia

“É preciso fazer mais, ; estruturar melhor a vertente económica e empresarial dentro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Falta saber o que os governos devem e querem fazer para ajudar os empresários a tirarem proveito de todo o potencial que existe. E isso está ligado à mobilidade.”

Mobilidade

“A facilitação dos vistos para os empresários e livre circulação é um desafio. Já existem alguns protocolos, mas é preciso fazer mais, por exemplo, cada país ter uma lista dos empresários todos que podem ter acesso a esses vistos, e isso é difícil. Encontrar uma solução é o nosso grande desafio. Na conversa que já tive com a minha sucessora deixei sugestões e julgo que até à próxima Cimeira da CPLP, em julho, vai-se conseguir desbloquear isso.”

Conhecimento

“Insisto na importância do desenvolvimento humano para o futuro. É preciso que os países mais avançados apoiem os menos avançados para atingirmos níveis de desenvolvimento. Esta é uma aposta fundamental.”

Credibilidade

“É preciso continuar a projetar a CPLP no palco do mundo. Tornar a CPLP cada vez mais credível, mais visível. É fundamental também fazer que a juventude se aproxime mais da CPLP. Tem de haver uma atenção especial à juventude e à mulher, fundamentais no desenvolvimento. Nos nossos países a mulher tem um grande papel na agricultura e nos negócios.”

Combate à fome

“A área da segurança alimentar e nutricional está aí, mas ainda não houve grandes projetos que acabassem com a fome que ainda existe nos nossos países. Acabar com essa realidade é um desafio futuro. A CPLP é jovem, tem 20 anos e tem ainda muitos desafios pela frente.”

fonte
 


VEJA UMA PLAYLIST COM DEZENAS DE VÍDEOS DO LOBITO, CATUMBELA E BENGUELA, CLICANDO NA IMAGEM

Lobito 2013 NO FACEBOOK - CENTENAS DE FOTOS E VÍDEOS



Data: 2017-01-09

 Vídeo

PLAYLIST DE VÍDEOS LOBITO 2013

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)