Início > Artigo > Aquacultura representa mais de metade do pescado para consumo



Aquacultura representa mais de metade do pescado para consumo


A aquacultura já representa mais de metade de todo o pescado para consumo humano, que em 2014 atingiu um novo máximo anual de 20 quilos per capita, informou a FAO.

De acordo com o relatório anual da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) sobre o estado das pescas e da aquacultura no mundo, pela primeira vez em 2014, a produção aquícola mundial (incluindo plantas aquáticas) excedeu a obtida pelas capturas, atingindo 101,1 milhões de toneladas, o que representa 52% de toda a produção de peixe (195,7 milhões de toneladas).

A produção mundial atingiu 167,2 milhões de toneladas, das quais 93,4 milhões vieram da captura e aquacultura (73,8 milhões).

O rápido crescimento deste último setor e a melhoria em determinadas populações de peixes permitiu satisfazer um consumo que cresceu dos 10 para os 20 quilos per capita, explica a FAO.

Pela primeira vez desde 1998, uma espécie de sardinha muito produzida nas costas do Peru e do Chile não era o mais pescado, sendo superada pelas espécies Alaska Pollock (um tipo de bacalhau).

Além disso, grupos de atum, lagostas, camarão e cefalópodes [de elevado valor comercial) registaram novos máximos de captura em 2014.

O noroeste do oceano Pacífico continua a ser a zona mais produtiva para as capturas marinhas, enquanto no Mar Negro e no Mediterrâneo, onde as capturas caíram um terço desde 2007, a situação “é alarmante”, segundo a FAO.

Segundo o relatório, em 2014 havia 56,6 milhões de pessoas a trabalhar na pesca e na aquicultura, das quais 84% viviam na Ásia.

As mulheres representam 19% dos trabalhadores diretamente envolvidos nestes setores primários, uma percentagem que sobe para 50% para outras atividades secundárias, como o processamento ou comercialização.

Em níveis semelhantes aos de há dois anos, está o número de navios de pesca, que foi de cerca de 4,6 milhões, distribuídos principalmente na Ásia (com 75% do total), seguido da África (15%), América Latina e Caraíbas (6%), América do Norte (2%) e na Europa (2%).

A China é o maior produtor e exportador de peixe, um produto que continua a ser um dos alimentos básicos mais comercializado no mundo.

O relatório da FAO também avalia o impacto da pesca e da aquicultura para a agenda do desenvolvimento sustentável das Nações Unidas para 2030.

fonte
 


VEJA UMA PLAYLIST COM DEZENAS DE VÍDEOS DO LOBITO, CATUMBELA E BENGUELA, CLICANDO NA IMAGEM

Lobito 2013 NO FACEBOOK - CENTENAS DE FOTOS E VÍDEOS



Data: 2016-07-16

 Vídeo

PLAYLIST DE VÍDEOS LOBITO 2013

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)