Início > Artigo > Portugal propõe criação de contingente de manutenção de paz lusófono



PIRATARIA

Portugal propõe criação de contingente de manutenção de paz lusófono


O ministro da Defesa Nacional, José Pedro Aguiar-Branco defendeu hoje a criação de uma força de manutenção da paz da Comunidades dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), no quadro das Nações Unidas.

A proposta foi lançada durante a XVI reunião dos ministros da defesa nacional da comunidade lusófona que decorreu na capital são-tomense.

"Nas operações de manutenção da paz a CPLP tem meios, condições e capacidade para um contributo coletivo e efetivo. A nossa experiencia individual em várias missões das Nações Unidas deveria ser aproveitada para enviar um contingente de CPLP numa operação de manutenção de paz das Nações Unidas", disse José Aguiar-Branco

O ministro português sugeriu ainda a formação e a saúde como outras duas áreas potenciais para sustentar a cooperação.

"Na formação, podemos avançar para a criação de um colégio de defesa da CPLP a funcionar alternadamente nos nossos superiores militares, com cursos pensados para a especialização dos militares e abertos a outros países amigos", defendeu.

"Na saúde militar temos que apostar mais no desenvolvimento de projetos de investigação conjuntos e no intercâmbio entre hospitais militares", acrescentou.

Antes de passar testemunho da presidência rotativa da organização para seu homólogo de São Tomé e Príncipe, Aguiar Branco saudou o regresso da Guiné-Bissau ao convívio da comunidade e destacou a língua e valores comuns em que se apoia a identidade da CPLP em matéria de defesa.

Para o secretário executivo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa as organizações internacionais como a CPLP desempenham um papel fundamental entre os seus membros, constituindo-se como espaço de segurança coletiva, estabilidade e paz e assumindo-se como baluarte da defesa e da democracia, do estado de direito e dos direitos humanos.

"Estou certo que a XVI reunião dos ministros da defesa da CPLP constituirá mais um passo em frente no aprofundamento da cooperação entre os estados membros em matéria da defesa a qual tem implicações diretas no sucesso das políticas de desenvolvimento em curso nos nossos estados membros", disse Murade Murargy.

Os conflitos que abalam o mundo, particularmente a África, orientam a CPLP para o reforço da cooperação internacional, destacou o ministro são-tomense da Defesa Nacional e do Mar.

"Temos uma agenda muito recheada de assuntos importantes para o reforço dos laços que nos unem e consequentemente criarmos uma plataforma de segurança e defesa ao serviço dos nossos povos, países regiões e do mundo global de que fazemos partes", disse Carlos Stock.

O ministro são-tomense dos negócios estrangeiros que presidiu o ato justificou a ausência do primeiro-ministro Patrice Trovoada, falou da ameaça que o grupo terrorista Boko Aran representa para o Golfo da Guiné e da pirataria marítima.

"O estado são-tomense reconhece os esforços desenvolvidos pelos seus parceiros de desenvolvimento de são Tomé e Príncipe e de outros estados da região no combate a esta organização", sublinhou Salvador Ramos.

fonte




Data: 2015-06-04

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)