Início > Artigo > Importações mais caras com congestionamento do porto de Dili



TIMOR LESTE

Importações mais caras com congestionamento do porto de Dili


O congestionamento crescente no porto da capital de Timor-Leste, Dili, levou a que a empresa de transportes marítimos USL/ANL tenha informado os seus clientes de que os seus serviços de entrada de mercadoria no país vão ficar mais caros.

A companhia refere que os constantes atrasos no processo de descarga no porto de Dili não lhe deram alternativa que não a subida dos preços, através de uma sobretaxa de congestionamento do porto para todas as cargas enviadas depois de 7 de Junho de 2015.

Além das taxas e custos que os clientes já pagavam, cada contentor de 20 pés terá uma sobretaxa de 205 dólares e cada um de 40 pés terá uma de 410 dólares, valores que serão revistos trimestralmente pela empresa com sede em Melbourne e subsidiária do terceiro maior grupo de transporte marítimo do planeta, o francês CMA CGM.

Empresários timorenses manifestaram-se recentemente contra esta situação tendo, por exemplo, Lino Lopes, director da Express Distribution Services (EDS) referido os constantes atrasos que o congestionamento no porto causa.

O próprio primeiro-ministro timorense, Rui Araújo, alertou para a necessidade de resolver este problema quando efectuou, poucos dias depois de tomar posse, em Fevereiro, uma visita surpresa ao porto.

A principal infra-estrutura de entrada de tudo em Timor-Leste, com cerca de mil contentores processados por mês, regista um elevado congestionamento, tanto no processo de atracar dos navios – que chegam a esperar semanas ao largo da cidade.

Tirar o contentor do porto, quando já foi descarregado, pode demorar mais 15 dias.

Apesar de estar a rever processos e formas de lidar com a situação actual, o governo timorense defende uma solução mais duradoura que passará pela construção do novo porto de Tibar, a oeste da capital.

Esse assunto foi, aliás, discutido esta semana em Conselho de Ministros que analisou o projecto de concessão para a construção e gestão do porto de Tibar, orçado em cerca de 400 milhões de dólares, com capacidade para processar anualmente um milhão de toneladas de carga

As empresas pré-qualificadas para se candidatarem à parceria público-privada são o consórcio entre a Mota Engil Ambiente e Serviços, Mota Engil Engenharia e Construção e a belga Besix Group, a inglesa Peninsular and Oriental Steam Navigation Company (P&O), subsidiária da DP World, do Dubai, a filipina International Container Terminal Services Inc. e a francesa Bolloré Consortium.

FONTE




Data: 2015-05-18

 Vídeo

PLAYLIST DE VÍDEOS LOBITO 2013

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)