Início > Artigo > 19 DE FEVEREIRO DE 1855 - Primeira previsão internacional do tempo



19 DE FEVEREIRO DE 1855 - Primeira previsão internacional do tempo


Em Novembro de 1854, um forte vendaval no Mar Negro destruiu completamente a frota conjunta da Inglaterra, França e Turquia, países que lutavam na Guerra da Crimeia. Eram as forças da natureza guiando os destinos do homem. Para evitar novas surpresas meteorológicas no futuro, Napoleão III encarregou Urbain Leverrier, astrónomo e director do Observatório de Paris, de estudar o fenómeno.

Ele resolveu analisar o conjunto de informações reunidas por 250 estações meteorológicas europeias ao mesmo tempo. Até então, só se avaliava os dados de cada estação em particular. Com as informações, Leverrier conseguiu provar que o vendaval podia ter sido previsto com antecedência. E mais: com a ajuda de um telégrafo elétrico, que já existia desde 1837, a frota poderia ter sido avisada do perigo iminente.

Mapas para a previsão do tempo

Como ocorre tantas vezes, foram os interesses militares a acelerar o progresso da ciência. Cinco anos mais tarde, o próprio Leverrier passaria a divulgar mapas diários com a previsão do tempo. Hoje, em todo o mundo, milhares de estações meteorológicas reúnem informações sobre temperatura, vento, nebulosidade, umidade do ar, chuva, pressão do ar e muito mais. Dados que são ricamente ilustrados através das observações dos satélites meteorológicos.

Mesmo assim, as previsões ainda não atingiram a precisão desejada, e muitas vezes chegam a falhar por completo. Apesar disso, a maioria dos europeus jamais começa uma viagem de férias sem primeiro saber como está o tempo no local de destino. Na Alemanha, em especial, muitos não saem de casa sem olhar a previsão meteorológica.

Aliás, também os meteorologistas observam a natureza para prever o tempo. Por exemplo: segundo a sabedoria popular, as andorinhas voam baixo quando vai chover. A explicação é que as aves se alimentam de pequenos insetos, e quando o tempo é bom, estes são empurrados para cima pelas massas de ar. Quando vai chover, os insetos permanecem mais perto do chão, obrigando as andorinhas a voar baixo.

fonte

 


 



Data: 2012-02-20

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012

Congresso Intercalar da APLOP - Rio de Janeiro - Março de 2012