Início > Opinião

OPINIÃO

O Porto de Santos: tecnologias e perspectivas

Entre 1993 e 2013 o Porto de Santos mais do que duplicou sua capacidade, a partir de algumas medidas básicas: arrendamento de áreas portuárias ao setor privado; modernização operacional e racionalização de serviços. A incorporação de novos processos e tecnologias teve inequívoco impacto positivo na produtividade do porto, porém, também foram sensíveis, negativamente, no âmbito social, posto que implicaram em redução significativa de postos de trabalho.

China realiza treinamento entre talentos portuários e consagra liderança no comércio global

Ao adoptar um ousado planeamento de financiar e elaborar projetos de infraestrutura portuária em territórios estratégicos, a China busca garantir maior participação comercial em diversos continentes. Na América Latina, o principal alvo é o Brasil. A cúpula do atual governo chinês, liderado pelo presidente Xi Jinping - recentemente consagrado com um mandato vitalício -, aposta no aprimoramento da logística portuária pelo planeta, priorizando maior fluidez no transporte de cargas. Afinal, de acordo com as estatísticas da Organização Mundial do Comércio (OMC), a China é a nação que mais participa do comércio global, com US$ 2,2 trilhões em vendas em 2017.

Portugal, a CPLP, o Atlântico, os EUA e a NATO

A recente confirmação de os Estados Unidos pretenderem reactivar a sua II Esquadra, a ficar sediada na Base Naval de Norfolk, no Estado da Virgínia e sede também do ACT (Allied Command Transformation) da NATO, diz bem da importância que o Atlântico continua a ter, e irá continuar a ter, na geopolítica internacional.

ANTÓNIO COSTA

Navios comerciais não tripulados: sim ou não?

Mas, afinal, o que são navios autónomos? E por que será necessário utilizar navios autónomos no transporte? E os navios autónomos não terão qualquer tripulante?
Segundo o projecto MUNIN1, o navio autónomo é uma embarcação equipada com sistemas de controlo modular de próxima geração e tecnologias de comunicação, que permitirão as funções de monitorização e controlo sem fios.

POR BELMAR DA COSTA

Intermodal | APLOP

Divulgamos crónica do Director Executivo da AGEPOR, Belmar da Costa, sobre a INTERMODAL e a realização da "Conferência dos Portos de Língua Portuguesa", pela APLOP, na referida Feira.
Texto publicado originalmente na "Transportes em Revista".

O mar no mundo | Consequências da Lua

O mar sempre teve uma relação muito forte com a Lua. Deslocando-se à volta do planeta Terra, numa órbita que tem o mesmo sentido da rotação do nosso planeta, este satélite natural provoca uma atração gravitacional originando quatro marés por dia, em cada ponto costeiro, duas altas e duas baixas.

A nova globalização e o impacto no comércio marítimo

Hoje, a quarta revolução industrial está a criar um modelo novo de globalização que difere dos anteriores porque assenta na descentralização geográfica. O pólo económico centrado num país ou continente que se verificou em cada nova fase da globalização está a ser substituído por um modelo multipolar. Digitalização e descentralização estão a moldar o novo comércio mundial de forma significativa e a afectar o transporte marítimo.

AFONSO CAMÕES

A minha língua na tua

(...) Não se percebe, a esta luz, que passados 20 anos, assinalados em breve, sobre a criação da CPLP não haja uma verdadeira aposta recíproca em transformar a geografia lusófona num verdadeiro mercado comum, facilitador de transações e de livre circulação, pondo termo a esse negócio hipócrita e corrupto que se esconde por detrás da teia burocrática e da concessão de vistos para viagens ou comércio.

OPINIÃO

Smart Ports | O papel das tecnologias de informação na Era dos Portos de Baixo Carbono

«Ao longo das últimas décadas, os principais portos do mundo passaram por diversos estágios de evolução que tiveram o seu início com o processo de informatização até ao conceito de “Porto Digital”.
A proximidade dos atores da cadeia de valor da logística com o fenómeno da Internet das Coisas (IoT) está a levar para o seio dos portos novas formas de recolher, partilhar e gerar valor a partir da informação. Estamos a assistir ao nascer de uma nova geração de portos apoiados por infraestruturas inteligentes, pela interconectividade das coisas e por processos de gestão otimizados pela geração de conhecimento fruto do processamento eletrónico de largos volumes de dados: - Os “Smart Ports”.

FRANCISCO JAIME QUESADO

As apostas da Floresta e do Mar

Portugal é hoje um país da linha da frente na promoção do mar como um fator de estratégia competitiva. A aposta que nos últimos anos se tem consolidado de reforço de uma “economia do mar” constitui a melhor evidência do impacto que a “partilha permanente do conhecimento” tem que ter na construção de uma plataforma social mais competitiva mas seguramente mais coesa do ponto de vista social e humano. Apostar no mar é desta forma um ato de primazia à inovação e conhecimento mas sem esquecer a capacidade inclusiva que a natureza tem que saber propiciar a uma sociedade cada vez mais complexa.

Alianças nos operadores marítimos, sinal de colapso do comércio mundial?

Se a fraca procura e o excesso de oferta está a pressionar os preços do frete e a conduzir à formação de sucessivas alianças, importa perceber também a relação de tudo isso com a saúde da própria economia global medida em termos de comércio.

ANGOLA

Logística é «cluster» prioritário para economia angolana

Angola tem em curso um plano de desenvolvimento da rede nacional de plataformas logísticas, baseadas em infra-estruturas que já existem e noutras que ainda vão ser criadas, um investimento a ser implementada ao longo da próxima década. O investimento no homem (versus betão) e na sua diversificação – é “instrumental para a estratégia do Governo”.

OPINIÃO

Energia Positiva - A resposta dos portos aos desafios da sustentabilidade

Quer no outro lado do Atlântico, quer na Europa, comprovamos que o caminho que está a ser percorrido, na adaptação dos portos às necessidades energéticas e desafios das alterações climáticas, pode atrair novos negócios, criar postos de trabalho, aumentar a receita, reduzir custos, melhorar a qualidade de vida das pessoas e a preservar os ecossistemas. Este é um caminho que está longe do horizonte da sustentabilidade, mas muito perto de obter resultados concretos em matéria de coesão social e territorial num horizonte de médio-curto prazo. Sigamos este rumo…

MIGUEL MATTOS CHAVES

Ainda o mar e Portugal | O universalismo de Portugal

Objectivamente e em termos geopolíticos, Portugal é uma área situada na periferia da Europa, à qual se encontra umbilicalmente ligado em termos geográficos, históricos, culturais, políticos e económicos. Portugal tem um perfil diferente dos demais Estados da Europa e do Noroeste Africano que partilham consigo uma zona a que alguns autores dão o nome de “Mediterrâneo Atlântico.

OPINIÃO

Green Logistics: O papel dos portos na economia circular

"2015 é o ano de virar a página aos “Objetivos do Milénio” para dar lugar aos “Objetivos da Sustentabilidade” e que surgem a reforço dos modelos de desenvolvimento preconizados pela “Economia Circular e de Baixo Carbono” rumo a um 2030 mais inclusivo e sustentável.

ANGOLA

Defender o espaço marítimo

Diz-se que os Estados marítimos foram “afortunados” pela natureza, alegadamente pelas vantagens consideráveis associadas ao acesso ao mar e aos recursos nele contidos. A verdade relacionada com esta percepção é, muitas vezes, directamente proporcional aos desafios ligados à protecção que esta importante e estratégica via de comunicação deve ter por parte dos Estados e dos povos.

Reflexões acerca de um novo modelo de gestão portuária no Brasil

Decorridos quase 14 anos da promulgação da Lei 8.630/93 (Lei de Modernização dos Portos), os portos brasileiros enfrentam sérios problemas operacionais. Apesar dos inúmeros progressos técnico-administrativos trazidos pelo diploma legal em análise, muitas deficiências ainda são observadas, quer por questões relacionadas a entraves burocráticos, quer pela absoluta ineficácia administrativa de seus órgãos gestores.

ROBERTO LOPES

As necessidades dos portos brasileiros

O sector portuário brasileiro, por onde circula cerca de 95% do comércio exterior, passa por um profundo processo de transformação, iniciado com o ciclo de concessões de operações à iniciativa privada a partir da lei 8.630 de 1993, chamada de Lei dos Portos, e que foi acelerado a partir da lei 12.815 de 2013, que abriu a possibilidade de construção de terminais e portos privados que adicionam modernidade e capacidade ao sistema logístico.

A luta pelo domínio dos mares

São gigantes do mar, salpicados das mais variadas cores dos contentores que transportam. No sector marítimo-portuário costuma-se dizer que a verdadeira caixa que mudou o mundo foi o contentor e não a televisão. E se a própria televisão chega hoje facilmente aos quatro cantos do mundo, dentro de um contentor, talvez isso prove que o sector não estará muito longe da verdade.

BRASIL

Hidrovias: um sistema mal aproveitado

Em 2013, ano da aprovação do novo marco regulatório portuário (Lei nº 12.815), o Porto de Santos movimentou 114 milhões de toneladas contra 33 milhões de toneladas em 1993, quando foi promulgada a antiga Lei dos Portos (nº 8.630). Para 2024, a previsão é que movimente 195 milhões de toneladas, mas há estimativas que prevêem 229 milhões.Dentro da atual matriz de transporte, que privilegia o transporte rodoviário, será impossível dar conta de tamanha demanda. A única saída estaria em aumentar a participação das ferrovias no transporte de carga dos atuais 15% para pelo menos 60%.

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)