Início > Ambiente

O mundo com sede

Relatórios da Organização das Nações Unidas (ONU) repetem o diagnóstico cada vez mais alarmante: mais de mil milhões (1 bilião) de pessoas - o equivalente a 18% da população mundial - não têm acesso a uma quantidade mínima aceitável de água potável, ou seja, água segura para uso humano. Se nada mudar no padrão de consumo, em 2025, dois terços da população do planeta - 5,5 bilhões de pessoas - poderão não ter acesso à água limpa. E, em 2050, apenas um quarto da humanidade vai dispor de água para satisfazer as suas necessidades básicas.

Os tesouros de Sakhalin

Na Rússia oriental, mais perto de Tóquio que de Moscovo, fica a ilha de Sakhalin. Ali, nos mares do pequeno pedaço de terra há séculos disputado entre russos e japoneses, todos os anos, entre maio e outubro, quando as águas estão descongeladas, as baleias cinzentas do oeste do Pacífico vão atrás de alimento. Rico em peixes, esse pedaço de oceano esconde, também, jazidas de petróleo comparáveis às do Oriente Médio.

Conheça o aquífero Guarani

O aquífero Guarani é o principal manancial de água doce da América do Sul, formado entre 200 milhões a 132 milhões de anos atrás, nos períodos Triássico, Jurássico e Cretáceo Inferior . Imagine só: oito Estados brasileiros, mais o Norte da Argentina e do Uruguai, e parte do Paraguai assentam sobre este oceano de água doce, numa área de 1,2 milhões de quilómetros quadrados – o que faz dele o maior reservatório de água subterrânea transnacional do mundo.

ÁGUA

Cooperação sem guerras

Se há um bordão bem conhecido na comunidade ambiental é aquele que versa sobre o potencial da água, “o petróleo do século 21”, causar conflitos de grandes proporções. Mas nas últimas semanas, opiniões divergentes têm ganho destaque. Um simples levantamento feito pelo Instituto Internacional de Estocolmo sobre Água (IIEA) demonstrou que existem na verdade mais exemplos de cooperação do que conflitos em torno de grandes mananciais.

 

Desgaste dos oceanos pode custar 1,5 biliões de euros anuais

Se nada for feito para mitigar as mudanças climáticas, o custo dos desgastes causados aos oceanos poderá situar-nos em dois biliões de dólares (1,5 biliões de euros) anuais até 2100, estima um estudo publicado esta quarta-feira.
Coordenado pelo Instituto do Ambiente, de Estocolmo, o estudo, intitulado "Valuing the Ocean" (Estimar o Valor dos Oceanos), foi realizado por uma equipa multidisciplinar que calculou os custos até 2050 e 2100 na pesca e no turismo, resultantes de tempestades, da subida do nível das águas e na redução da função oceânica de poço de carbono.

Oceanos cada vez mais ácidos ameaçam vida marinha

As emissões de dióxido de carbono estão a elevar a acidez dos mares e oceanos a um ritmo sem precedentes desde há 300 milhões de anos. Se este ritmo se mantiver, a vida marinha desaparece em poucas décadas, revela um estudo publicado na revista Science.

MODELO AMBIENTAL PORTUÁRIO

O Porto Verde

Questões ambientais relativas à actividade portuária, como um instrumento efectivo de apoio à construção de um ambiente ecologicamente equilibrado. Publicação da Agência Nacional de Transportes Aquaviários do Brasil (ANTAQ), formato pdf, 112 páginas.

População de atuns diminuiu 60% nos últimos 50 anos

As populações de atuns e de espécies similares diminuíram 60 por cento em todo o mundo no último meio século. O trabalho agora publicado na «Proceedings of the National Academy of Sciences» (PNAS) adianta que estas espécies têm sido exploradas quase até ao limite da sua sustentabilidade. As mais afectadas são os atuns de águas frias – como o atum-rabilho (Thunnus thynnus), de alto valor económico – que diminuíram até 80 por cento. A cavala viu também a sua população reduzida.

DECISÃO DE TRIBUNAL AMERICANO

Orcas não estão escravizadas porque não são pessoas

O tribunal de San Diego não reconheceu que as orcas do SeaWorld estejam escravizadas porque não são pessoas, uma decisão que deita por terra as pretensões da PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) de conseguir a libertação daqueles animais.
A PETA acusou os parques aquáticos SeaWorld de Orlando e de San Diego de tratar cinco orcas (Tilikum, Katina, Kasatka, Ulises e Corky) como escravos, sendo obrigados a viver em tanques e a entrar em espectáculos diários, uma violação do artigo da Constituição que aboliu a escravatura nos Estados Unidos.

DESCOBERTA DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE

O ser vivo mais velho da Terra é uma erva marinha

O ser vivo mais velho da Terra que se conhece vive mesmo ao lado da Península Ibérica, é uma erva marinha que cresce no Mediterrâneo e pode ter mais de 100.000 anos, de acordo com uma equipa de cientistas que integra investigadores da Universidade do Algarve. A descoberta foi publicada nesta semana na revista Public Library of Science One.
A erva marinha chamada Posidonia oceanica não é uma alga, mas sim uma angiospérmica, ou seja, pertence ao grupo das plantas que dão flores, e é endémica do mar Mediterrâneo.

AQUACULTURA

Cabo Verde tem condições excepcionais para o cultivo de microalgas

Cabo Verde tem condições excepcionais, "até melhor do que Portugal", para o cultivo de microalgas, já que tem em abundância e qualidade muito sol e muita água do mar, garantiu, na Praia, o biólogo português João Navalho.
João Navalho falava aos jornalistas à margem da apresentação do projecto de cultivo de microalgas em Cabo Verde, visando, por exemplo, a extracção de pigmentos, como o betacaroteno, utilizado na indústria alimentar e cosmética.

Nova Zelândia salva 33 baleias que estiveram 48 horas em terra

Passaram mais de 48 horas em terra mas no dia 25 as últimas 33 baleias-piloto que estavam presas numa baía da Nova Zelândia partiram para águas mais profundas. Os 200 voluntários que responderam ao arrojamento colectivo de 99 animais conseguiram salvar um total de 60 baleias.
Do grupo inicial de 99 baleias-piloto que deram à costa na segunda-feira, 40 acabaram por morrer, 26 foram salvas no dia 23 e 33 puseram-se a caminho do mar alto, saindo de Golden Bay, dia 24.

Algas podem ser alternativa ao carvão e petróleo

Um grupo de investigadores dos EUA descobriu um método para transformar algas marinhas em etanol. Os cientistas acreditam, assim, que as algas podem ser uma verdadeira alternativa aos combustíveis fósseis como o petróleo e o carvão.
A equipa de peritos norte-americanos manipulou uma variante da bactéria E.coli conseguindo, com essa bactéria, transformar os açúcares das algas castanhas em etanol.

10 Navios do Futuro que transformarão o Rosto da Indústria Marítima

De acordo com um relatório recente, as emissões relacionadas com o transporte marítimo constituem 3% do total das emissões carbono globais, sendo esperado um aumento de 150-250% nos próximos 40 anos. É tempo de rever e repôr cada um dos aspectos da indústria naval a fim de reduzir as suas pegadas de carbono.

Alterações Climáticas provocam alterações no comportamento de alimentação do albatroz-gigante

O aumento da intensidade dos ventos e a sua deslocação na direcção do Pólo Sul, movimento que foi acompanhado pelas fêmeas desta ave, permitiram-lhe aumentar a sua velocidade de voo e assim encurtar a duração das “excursões” de alimentação durante o período de incubação dos ovos, o que conduziu a um aumento do sucesso reprodutor e do peso corporal.

 

Para salvar as baleias, o melhor é dar-lhes um preço, dizem cientistas

Enquanto ambientalistas e baleeiros travam, neste momento, uma luta sem tréguas nos mares frios do Oceano Sul, dois cientistas norte-americanos sugerem uma alternativa para acabar com a caça à baleia: colocar-lhes um preço e pô-las à venda.”

ONU diz que temperatura mais quente do oceano pode diminuir produção de peixes

“Em 24 anos, a temperatura de ambientes marinhos subiu cerca 1,5 ºC. Regiões pobres do planeta podem ser as mais prejudicadas pelo aquecimento. Relatório divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) afirma que o aquecimento das águas superficiais dos oceanos limita o movimento dos nutrientes e pode resultar em diminuição da produção de peixes, o que afectaria o quotidiano da população.”

China lança peixes que se alimentam de algas para limpar lago

Autoridades na Província de Jiangsu, leste da China, informaram que lançarão peixes que se alimentam de algas no Lago Taihu, o terceiro maior lago de água doce do país, com o objectivo de combater a poluição. Um total de 475 toneladas métricas de peixes, principalmente a carpa prata, será libertado no lago de 2.400 quilómetros quadrados nos próximos dias, disse Shen Zhenhua, funcionário do escritório de administração de pesca do lago.

RESERVA MARINHA DA PONTA DO OURO

Moçambique vai candidatá-la a Património Mundial da Humanidade

O governo de Moçambique está a preparar a candidatura da Reserva Marinha da Ponta do Ouro, em Maputo, a Património Mundial da Humanidade. De acordo com a informação, confirmada à Rádio ONU, a proposta deverá ser submetida à Organização para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, “dentro de dois anos.”
Segundo o governo, a iniciativa visa garantir a conservação da biodiversidade e protecção dos recursos marinhos e costeiros existentes na região.

Novo derrame de crude paralisa pesca em Cabinda

Manchas negras cobrem a região costeira que vai da praia do Tchiaze à localidade do Mandarim. A poluição foi confirmada à Ecclesia por João Tendekela, da associação a “Voz do Pescador de Cacongo”, que congrega os pescadores da zona norte de Cabinda.
A companhia norte-americana “Cabinda Golf Oil Company” destacou já na região uma equipa que está a proceder à limpeza. No entanto, não assumiu publicamente a poluição de vasta região marítima, impedida de exercer a pesca.

 Vídeo

PLAYLIST DE VÍDEOS LOBITO 2013

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família