Início > História

BRASIL

200 Anos de Abertura dos Portos

Ministro-chefe da Secretaria Especial de Portos (SEP), Pedro Brito, faz discurso em rede nacional de rádio e televisão para saudar os dois séculos de abertura dos portos brasileiros, data comemorada a 28 de Janeiro de 2008.
 

«VERA CRUZ», «INFANTE D. HENRIQUE», «SANTA MARIA», ENTRE OUTROS

Companhia Colonial de Navegação fundada em Julho de 1922

A Companhia Colonial de Navegação (CCN) foi uma das novas Companhias de Navegação portuguesas do período pós-I Guerra Mundial. Foi constituída em Angola a 3 de Julho de 1922. Iniciou desde logo a sua actividade de transportadora com a aquisição do paquete "Guiné" e do cargueiro "Ganda", destinados às carreiras de Angola, Cabo Verde e Guiné.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Porto de Cabinda | Angola

Ao longo da vasta costa angolana que compreende cerca de 1500 quilómetros, existem vários portos naturais e com calados apreciáveis. Um destes portos é o de Cabinda, cuja história reservou uma originalidade ímpar.
A sua construção data de 1953, embora só em 1962 tenha sido elevado à categoria de porto comercial. Reza a história que as operações portuárias na Região de Cabinda começaram no ano de 1758, com o comércio de mercadorias efectivado através da Marinha Real Inglesa.

Farol do Porto de Dili

O Farol do Porto de Dili fica localizado junto à praia no lado Oeste de Dili, capital de Timor-Leste. Torre octogonal em estrutura de ferro, com lanterna e galeria, elevando-se de uma base maciça de alvenaria cónica, pintada às faixas (horizontais) verdes e brancas. O acesso à lanterna é feito por uma escada em caracol em volta da coluna central.

ABRIL DE 1652

Holandeses colonizam Cabo da Boa Esperança

No dia 6 de Abril de 1652, chegaram os primeiros colonizadores ao Cabo da Boa Esperança, no sul de África. A Companhia das Índias Orientais havia encarregado o médico Jan van Riebeeck de fundar uma base no local.
No livro "The Rise and Fall of Apartheid in South Africa", Sparks escreveu: "A história girou com o vento. Tivessem os portugueses ficado no Cabo, jamais teria havido o povo dos africânders (ou boers) e a sua ideologia do apartheid. Talvez uma República da Boa Esperança, rica em minérios, ter-se-ia desenvolvido num segundo Brasil, numa sociedade conhecida por integrar diversas raças e não como símbolo mundial da segregação racial."

29 DE MARÇO DE 1952

Relato da chegada do «Vera Cruz» a Santos

A chegada de um transatlântico em viagem inaugural a Santos, como a do Vera Cruz, em 1952, representava mais que uma curiosidade de milhares de pessoas que se aglomeravam junto às muretas da Ponta da Praia. Era um acontecimento político, social e cultural dos mais importantes envolvendo Brasil e Portugal.
Não era sem razão que essa viagem inaugural, especificamente, ao tocar no porto do Rio de Janeiro, em 29 de março de 1952 (um sábado), o navio trazia a bordo dezenas de editores e jornalistas dos principais jornais portugueses, para registrar nos diários lusitanos, por exemplo, a acolhida que o Vera Cruz teve assim que sua silhueta surgiu na Baía da Guanabara.

CAMINHO DE FERRO DE BENGUELA

Construção, iniciada em 1899, demorou 30 anos

Em 1899, o governo português iniciou a construção da ferrovia para dar acesso ao interior e às riquezas minerais do Congo Belga. Após a morte de Cecil Rhodes, em 1902, Robert Williams, um amigo de Rhodes, tomou conta da construção e completou a ligação a Luau, em 1929. A linha mostrou ser um sucesso, revelando-se muito rentável para as potências coloniais.
Em 1931, o porto do Lobito recebeu por via férrea o primeiro carregamento de cobre proveniente do Catanga.

 

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Festa da Senhora dos Navegantes, na Gafanha da Nazaré | Portugal

Tanto quanto nos diz a memória, a Festa da Senhora dos Navegantes, da nossa meninice, tinha a marcá-la, como pormenor mais típico, a procissão até ao mar, para além do que era habitual em festas com um misto de religioso e profano. Acontecia na última segunda-feira de Setembro, pois no domingo anterior havia a festa da Senhora da Saúde, na Costa Nova.
A festa do Forte atraía mais os povos de Aveiro e Gafanha da Nazaré e a da Senhora da Saúde era mais ao gosto das pessoas de Ílhavo e Gafanha da Encarnação.

UM VÍDEO EM DESTAQUE

Temporal na Boca do Inferno, em Cascaes

“Actualidades Portuguezas”, documentário realizado por Júlio Worm, em 1926. Filme com 9’ 51’’, disponibilizado online pela Cinemateca Portuguesa.
“Toda aquela costa é interessante quando o vento sopra do SO e a maré enche”, lê-se na introdução ao excerto dedicado ao temporal na Boca do Inferno.

MAR GRÁFICO

Histórias submersas

MAR GRÁFICO

Canal do Panamá

MAR GRÁFICO - 1912

Ameaça submersa

 Vídeo

PLAYLIST DE VÍDEOS LOBITO 2013

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)