Início > História

Navios Quebra-Gelo Nucleares

Os quebra-gelo movidos a energia nuclear serviram como um símbolo do poder tecnológico soviético ao longo de várias décadas. Hoje esta frota é utilizada para ajudar a navegação de navios nos mares do norte da Sibéria, e como navios de cruzeiro para a elite do turismo.

Um Réveillon a bordo nos anos 30

O salão está deslumbrante. O luxo não pode ser maior. A decoração com capas de arminho, reflexos de pérolas e brilhantes. Passam as espáduas desnudas das senhoras, as bandejas de doces, as taças transbordantes. Não sei por que estas luzes, estes risos, este desperdício de jóias e de champanha me recorda outras festas, na Europa, nos anos de minha juventude, quando a Europa era o paraíso do mundo.

GLÓRIAS DA MARINHA MERCANTE BRASILEIRA

Cargueiro Araranguá

O navio cargueiro ARARANGUÁ foi um dos quatro navios da mesma classe encomendados pela Companhia Nacional de Navegação Costeira, Rio de Janeiro, ao estaleiro italiano Cantieri Navale Triestino, em Trieste, Itália. Seu porto de registro era o Rio de Janeiro. Era um navio cargueiro convencional que possuía capacidade frigorífica em seus porões.

AFUNDAMENTO INTENCIONAL A 14 DE DEZEMBRO DE 1939

A Odisseia do Cruzador «Graf Spee»

Séculos de conflitos no Mar deram-nos a conhecer inúmeros protagonistas de grandes batalhas navais, mas poucos ocupam lugares de honra na História naval. Basta lembrar um dos episódios navais épicos da II Guerra Mundial: o cruzador ligeiro «Admiral Graf Spee», primeiro navio de guerra alemão a entrar no activo durante o grande conflito mundial e primeira perda da "Kriegsmarine" (Marinha de Guerra alemã) após uma única vitória sobre navios de guerra inimigos.
O episódio, que ficou conhecido como a Batalha do Rio da Prata, terminou tragicamente ao largo do porto de Montevideo (Uruguai) a 14 de Dezembro de 1939, com o afundamento deliberado do cruzador e o suicídio do Capitão Langsdorff, perante o cerco de grandes unidades da Royal Navy.

A caça às baleias ao longo da história

A actividade de caça às baleias - que já foi tema de um dos grandes clássicos da literatura universal e é hoje condenada por ambientalistas de todo o mundo -, teve o seu início por volta do século XII, na região da costa espanhola e francesa, próximo ao Golfo de Biscaia. Naquela época eram ainda usados botes e arpões manuais lançados pelos corajosos que se aventuravam na perigosa caçada ao grande monstro dos oceanos.

CAMINHO DE FERRO DE MOÇÂMEDES

Construção iniciada em 1905

A ideia da construção do Caminhode Ferro de Moçâmedes, actual Namibe, reporta a uma carta de lei de 1890; por ela foi o Governo autorizado à construção e exploração destes caminhos de ferro. No entanto, os trabalhos de construção só foram iniciados a partir de 1905, isto é, quinze anos depois. Em 1907 foram inaugurados os primeiros 67 quilómetros.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Porto de Moçâmedes (Namibe - Angola), em 1961

A 3 de Novembro de 1961 o "Diário de Lisboa" publicava o quarto artigo da série "Roteiro do Infante". O jornal português acompanhava viagem do paquete "Infante D. Henrique", oferecendo aos seus leitores detalhadas reportagens. Nesta edição, o navio aportara no Lobito e depois em Moçâmedes.

MOSSÂMEDES - ANGOLA

O Edifício do Cabo Submarino

Neste edifício, intimamente ligado à colonização do sul de Angola, em relação ao qual se desconhece quem o projectou, bem como a data precisa da sua construção, funcionou a partir do último quartel do século XIX, uma Central de Comunicações por cabo telegráfico submarino que fazia a ligação de Mossãmedes (actual Namibe) à cidade do Cabo, na África do Sul, e às cidades de Luanda e Benguela no território de Angola.
 

O Mistério Do Navio Fantasma Mary Celeste

Mary Celeste é um navio antigo que constitui um exemplo perfeito para as teorias de navios-fantasma narradas e contadas por muitos. Originalmente baptizado como Amazon, o navio americano foi construído em 1860 na aldeia Nova Scotian, da Ilha de Spencer. O Mary Celeste era uma embarcação de dois mastros, mais conhecida então como um bergantim.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Temporadas de cruzeiros no Brasil

Décadas atrás quem diria que os cruzeiros alcançariam as proporções actuais? As viagens marítimas eram caras, com menor número de navios participantes. Para se ter uma ideia, vamos regressar ao – já um tanto distante – ano de 1978. Naquele ano a temporada 1978/1979 teve início no dia 18 de Dezembro e foi aberta pelo transatlântico português Funchal.

BRASIL

200 Anos de Abertura dos Portos

Ministro-chefe da Secretaria Especial de Portos (SEP), Pedro Brito, faz discurso em rede nacional de rádio e televisão para saudar os dois séculos de abertura dos portos brasileiros, data comemorada a 28 de Janeiro de 2008.
 

«VERA CRUZ», «INFANTE D. HENRIQUE», «SANTA MARIA», ENTRE OUTROS

Companhia Colonial de Navegação fundada em Julho de 1922

A Companhia Colonial de Navegação (CCN) foi uma das novas Companhias de Navegação portuguesas do período pós-I Guerra Mundial. Foi constituída em Angola a 3 de Julho de 1922. Iniciou desde logo a sua actividade de transportadora com a aquisição do paquete "Guiné" e do cargueiro "Ganda", destinados às carreiras de Angola, Cabo Verde e Guiné.

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Porto de Cabinda | Angola

Ao longo da vasta costa angolana que compreende cerca de 1500 quilómetros, existem vários portos naturais e com calados apreciáveis. Um destes portos é o de Cabinda, cuja história reservou uma originalidade ímpar.
A sua construção data de 1953, embora só em 1962 tenha sido elevado à categoria de porto comercial. Reza a história que as operações portuárias na Região de Cabinda começaram no ano de 1758, com o comércio de mercadorias efectivado através da Marinha Real Inglesa.

Farol do Porto de Dili

O Farol do Porto de Dili fica localizado junto à praia no lado Oeste de Dili, capital de Timor-Leste. Torre octogonal em estrutura de ferro, com lanterna e galeria, elevando-se de uma base maciça de alvenaria cónica, pintada às faixas (horizontais) verdes e brancas. O acesso à lanterna é feito por uma escada em caracol em volta da coluna central.

ABRIL DE 1652

Holandeses colonizam Cabo da Boa Esperança

No dia 6 de Abril de 1652, chegaram os primeiros colonizadores ao Cabo da Boa Esperança, no sul de África. A Companhia das Índias Orientais havia encarregado o médico Jan van Riebeeck de fundar uma base no local.
No livro "The Rise and Fall of Apartheid in South Africa", Sparks escreveu: "A história girou com o vento. Tivessem os portugueses ficado no Cabo, jamais teria havido o povo dos africânders (ou boers) e a sua ideologia do apartheid. Talvez uma República da Boa Esperança, rica em minérios, ter-se-ia desenvolvido num segundo Brasil, numa sociedade conhecida por integrar diversas raças e não como símbolo mundial da segregação racial."

CAMINHO DE FERRO DE BENGUELA

Construção, iniciada em 1899, demorou 30 anos

Em 1899, o governo português iniciou a construção da ferrovia para dar acesso ao interior e às riquezas minerais do Congo Belga. Após a morte de Cecil Rhodes, em 1902, Robert Williams, um amigo de Rhodes, tomou conta da construção e completou a ligação a Luau, em 1929. A linha mostrou ser um sucesso, revelando-se muito rentável para as potências coloniais.
Em 1931, o porto do Lobito recebeu por via férrea o primeiro carregamento de cobre proveniente do Catanga.

 

VIAJANDO PELA HISTÓRIA

Festa da Senhora dos Navegantes, na Gafanha da Nazaré | Portugal

Tanto quanto nos diz a memória, a Festa da Senhora dos Navegantes, da nossa meninice, tinha a marcá-la, como pormenor mais típico, a procissão até ao mar, para além do que era habitual em festas com um misto de religioso e profano. Acontecia na última segunda-feira de Setembro, pois no domingo anterior havia a festa da Senhora da Saúde, na Costa Nova.
A festa do Forte atraía mais os povos de Aveiro e Gafanha da Nazaré e a da Senhora da Saúde era mais ao gosto das pessoas de Ílhavo e Gafanha da Encarnação.

UM VÍDEO EM DESTAQUE

Temporal na Boca do Inferno, em Cascaes

“Actualidades Portuguezas”, documentário realizado por Júlio Worm, em 1926. Filme com 9’ 51’’, disponibilizado online pela Cinemateca Portuguesa.
“Toda aquela costa é interessante quando o vento sopra do SO e a maré enche”, lê-se na introdução ao excerto dedicado ao temporal na Boca do Inferno.

MAR GRÁFICO

Histórias submersas

MAR GRÁFICO

Canal do Panamá

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)