Início > Moçambique

REABILITAÇÃO DO PORTO DE NACALA | MOÇAMBIQUE

Vale vai investir 892 milhões em 2012

A Vale, companhia mineira brasileira, vai investir mais de 892 milhões de euros em Moçambique no próximo ano, na expansão da mina de carvão em Tete, no centro do país, e na reabilitação de infra-estruturas ferro-portuárias.
Desse montante, mais de 518 milhões de euros destinam-se à reabilitação do Porto de Nacala e da linha-férrea que liga o porto a Moatize, província de Tete, onde a Vale explora a maior concessão de carvão na região, segundo foi anunciado ontem.

Moçambique encaixa 27 milhões com exportação de algodão para a Ásia

Moçambique vai exportar para o continente asiático 36 mil toneladas de algodão durante este ano, afirmou o director-adjunto do Instituto de Algodão moçambicano, Paposseco Gabriel.
De acordo com informações avançadas pelo responsável durante uma reunião anual do sector, que teve lugar na cidade da Beira, província de Sofala, centro de Moçambique, o país deverá encaixar com estas exportações 36 milhões de dólares (cerca de 27 milhões de euros).

MOÇAMBIQUE

Areias de Moebase arrancam em breve

O projecto de exploração de areias pesadas em Moebase e Naburi, propriedade da Companhia Minerais de Naburi, cobre uma área de 32 mil hectares, onde ocorrem minerais pesados como ilmenite, rutilo e zarcão, numa quantidade estimada em 71.7 milhões de toneladas.
Em Moçambique existem extensas áreas com reservas de areias pesadas, situadas ao longo da costa. Algumas dessas áreas já estão concessionadas e outras ainda estão por concessionar.

 

 

MOÇAMBIQUE

Cidade da Beira avança com protecção da costa

O director-geral dos Serviços Autónomos de Saneamento junto à edilidade, Augusto Manhoca, disse que a obra tem financiamento assegurado de três milhões de euros disponibilizados pela Cooperação Suíça, prevendo-se que até finais do ano em curso arranquem.
Apesar dos fundos disponibilizados não serem suficientes para todo o trabalho necessário, a fonte disse que a empreitada consistirá na reabilitação de alguns esporões danificados e construção de outros intermédios.

MOÇAMBIQUE

Falta mão-de-obra em Nacala-Porto

A cidade portuária de Nacala debate-se com uma grave falta de pessoal especializado para responder à procura imposta pelos projectos de desenvolvimento em curso na região, afirmou o presidente do Conselho Municipal daquela cidade, Chale Ossufo.
Em declarações ao jornal Notícias, de Maputo, à margem do “Fórum Consultivo de Políticas Públicas”, promovido pela “Aliança de Cidades”, que tem estado activa em Moçambique desde 2002 apoiando diversos projectos de desenvolvimento municipal, Chale Ossufo disse que o desenvolvimento económico da cidade de Nacala-Porto não está a ser devidamente acompanhado pela formação do capital humano,

MOÇAMBIQUE

PROPESCA com 13 milhões de dólares USD

O executivo moçambicano aprovou, em finais de Outubro, uma verba para o Fundo de Desenvolvimento Pesqueiro (PROPESCA) no valor de 13 milhões de dólares americanos, verba destinada a apoiar o desenvolvimento da pesca artesanal na zona costeira.
Com esta iniciativa, o Governo pretende fomentar a conservação das espécies marinhas ao longo da costa.

MOÇAMBIQUE

Rovuma tem 10 vezes mais gás que Mpande e Temane

As reservas de gás descobertas pelas multinacionais Anadarko e ENI ascendem a 30 triliões de pés cúbicos, o que representa uma ocorrência de 10 vezes mais das reservas de gás natural em exploração na província de Inhambane pela sul-africana Sasol.
Dados preliminares do Ministério dos Recursos Minerais (MIREM) indicam que a Bacia do Rovuma, no norte do país, possui quase 10 vezes mais reservas de gás natural que os blocos de Mpande e Temane, na província de Inhambane. Trata-se de reservas que podem ser exploradas durante mais de dois séculos, numa altura em que as pesquisas de hidrocarbonetos tendem a intensificar-se não só no Rovuma, mas também na Bacia de Moçambique.

MOÇAMBIQUE

Governo pretende potenciar a pesca artesanal

O Governo moçambicano considera que a pesca artesanal está a crescer. Esta actividade reforça a segurança alimentar do país, bem como a captação de divisas e criação de emprego. De acordo com o vice-ministro das pescas, Gabriel Muthisse, a situaçao da pesca artesanal em Moçambique conta com o apoio de vários organismos nacionais e internacionais.
«Estamos a potenciar a pesca artesanal para melhorarmos o nível de produção. Queremos alcançar as 200 mil toneladas até 2019. Contamos com o apoio dos organismos nacionais e internacionais» referiu o vice-ministro.

Rio Tinto defende solução fluvial para o escoamento do carvão de Moatize, Moçambique

O grupo mineiro anglo-australiano Rio Tinto considera que a utilização do rio Zambeze para o escoamento do carvão de Tete é uma solução melhor do que a linha de caminho-de-ferro de Nacala, afirmou em Perth o director executivo da Rio Tinto Coal Mozambique.
No decurso da visita que o Presidente da República de Moçambique efectuou a instalações da Rio Tinto na região de Karratha, a cerca de 1 300 quilómetros da cidade de Perth, Eric Finlayson recordou que, com uma extensão de 500 quilómetros, o escoamento de carvão pelo rio Zambeze mostra-se mais interessante do que através de Nacala, uma vez que a distância entre Moatize e o porto será de 900 quilómetros por caminho de ferro.

 

Porto de Maputo com fábrica de processamento de madeira

O porto de Maputo vai ser dotado de uma fábrica de processamento de madeira para permitir que a madeira em bruto trazida por comboio possa ser transformada no próprio recinto portuário, ficando pronta para ser embarcada para o seu destino de exportação, assim reduzindo ao mínimo o custo de transporte. Com esta importante inovação a madeira processada pode ser exportada a um preço mais baixo e mais competitivo.

MOÇAMBIQUE

No paraíso de Vasco da Gama

Quilómetros de praias desertas, ilhas selvagens, corais e coqueiros. Perto da Ilha de Moçambique, num areal sem fim, a Fugas passou uns dias na costa onde Vasco da Gama desembarcou em 1498. Visitámos a mesquita mais antiga do país, mergulhámos, passeámos de dhow, fizemos piqueniques de lagosta grelhada em ilhas desertas e caminhadas à beira-mar. Porque o paraíso existe. É preciso é encontrá-lo.

MOÇAMBIQUE

Economia em crescimento atrai negócios portugueses

O elevado crescimento económico de Moçambique, aliado à estabilidade política e a uma política económica prudente, atrai um número cada vez maior de empresas portuguesas, seja para investirem e se fixarem no mercado, seja enquanto exportadoras.
Nos últimos anos, as exportações lusas para este mercado cresceram a uma média anual superior a 20 por cento e, no investimento, Portugal tem vindo a consolidar a sua posição como um dos principais investidores no país.
Como afirma o director do Centro de Negócios da AICEP em Maputo, Fernando Carvalho, são vários os sectores de oportunidade para as empresas portuguesas que queiram apostar em Moçambique.
 

Empresa indiana quer construir porto em Moçambique

A empresa Essar Ports Ltd, subsidiária do Essar Group da Índia, pretende construir um porto em Moçambique a fim de proceder à exportação do minério de ferro extraído no Zimbabwe, afirmou o presidente da Comissão Executiva da empresa, Rajiv Agarwal.
“Moçambique é um país rico em recursos minerais, e nós estamos a trabalhar no sentido de assinarmos um acordo de concessão para a construção de um porto naquele país”, disse Rajiv Agarwal, que não divulgou qualquer pormenor sobre o investimento necessário para a construção da infra-estrutura.

Moçambique marcou presença no «Portugal Exportador»

Responsáveis da Câmara de Comércio Moçambique-Portugal (CCMP) estiveram em Lisboa, para participar na feira de negócios Portugal-Exportador.
A mensagem é clara: o investimento em Moçambique tem retorno garantido e representa uma porta para a SADC. Portugal diz que sim e exorta as suas empresas a avançarem.
 

Moçambique quer atrair turistas chineses

Moçambique pretende conquistar a China como mercado emissor de turistas para alavancar o desenvolvimento do sector turístico no país.
O ministro moçambicano do Turismo, Fernando Sumbana, afirma que actualmente há "turistas chineses, mas não são aqueles de lazer, são turistas de negócios, e isso vai-nos levar a desenvolver infra-estruturas que possam responder a esse segmento de turistas”.

 

MOÇAMBIQUE

Carvão é sinal de crescimento económico

Duas horas depois de partir de Maputo, o avião das Linhas Aéreas de Moçambique aterra no pequeno aeroporto da cidade de Tete, capital da província com o mesmo nome, localizada no Noroeste de Moçambique. Até há pouco tempo, Tete — uma cidade cercada por uma vegetação árida, cujas temperaturas podem facilmente ultrapassar os 40 graus — não passava de mais uma cidade esquecida e pobre deste país com 24 milhões de habitantes.
Hoje, Tete é o símbolo da actual fase de crescimento económico de Moçambique. Dono de um sistema político estável, uma legislação moderna e recursos minerais abundantes, o país está a atrair investimentos como nunca antes na sua história.

Moçambique foco de atenções dos empresários brasileiros em África

Depois de anos de fortes relações comerciais com Angola, os empresários brasileiros começaram a prestar mais atenção a Moçambique, e a aproximação entre os dois países deverá intensificar-se nos próximos anos. A análise é do director-executivo da Câmara de Comércio, Indústria e Agropecuária Brasil-Moçambique (CCIABM), Rodrigo Oliveira, que considera o país lusófono como "a bola da vez".

 

PORTO DE NACALA | MOÇAMBIQUE

Minério de ferro de Nampula começa a ser exportado para a Índia

O Porto de Nacala, norte de Moçambique, vai reforçar a sua actividade nos próximos dois meses, graças à exportação de minério de ferro para a Índia e à importação de cimento com destino ao Malauí, disse fonte da empresa. O responsável acrescentou que o porto espera igualmente escoar, nos próximos dois meses, 35 mil toneladas de cimento para o Malauí, sendo esta, também, uma carga não planificada para o presente ano.

MOÇAMBIQUE

Porto da Beira duplicará carga processada até 2015

O porto da Beira, em Moçambique, vai duplicar nos próximos quatro anos o volume de carga processada depois de em 2010 terem sido movimentadas 1,29 milhões de toneladas de carga geral, informou fonte da Cornelder de Moçambique.
Citada pelo diário Notícias, de Maputo, a fonte da sociedade gestora do empreendimento adiantou que até ao final do ano a carga geral a ser processada deverá ultrapassar 1,4 milhões de toneladas. No que respeita à carga em contentores, foram manuseados em 2010 mais de 105 mil, enquanto de Janeiro a Junho último foram movimentados mais de 67 mil contentores.

 

MOÇAMBIQUE

Porto da Beira recebe de novo navios de grande calado

Desde o dia 1 de Agosto que navios com calado superior a 60 mil toneladas brutas podem passar a utilizar de novo o porto da Beira, em Moçambique depois de trabalhos de dragagem que custaram 43 milhões de euros. A atracagem no porto esteve suspensa durante 28 anos em consequência do assoreamento do canal de acesso ao mesmo.
 

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)

Constituição da APLOP - João Carvalho (IPTM) e José Luís Cacho (APP)