Início > Fotos

NO DEALBAR DO SÉCULO XX

Lisboa por Chusseau-Flaviens

Do mercado do peixe à Ribeira de Lisboa, do cais do porto à Doca de Santos. Chusseau-Flaviens evidenciava singular sensibilidade quando registava os tipos sociais, os costumes, os vendedores ambulantes: de azeite, de carvão, de leite, de legumes, de aves, de peixe, de ostras, de pão, de perus, de alhos e cebolas, os aguadeiros, os varredores de rua, as lavadeiras, os calceteiros e a calçada portuguesa, os trolhas e os galegos nas mudanças, tudo estimula o estudo da cidade de Lisboa no inicio do século XX.

FOTO-MEMÓRIA | NO DEALBAR DO SÉCULO XX

Cais da Ribeira | Lisboa por Chusseau-Flaviens

De Charles Chusseau-Flavies pouco se sabe, o fotógrafo francês terá trabalhado entre 1890 e 1910. Consultando a parte do seu trabalho que se encontra na George Eastman House, parece tratar-se de um dos primeiros repórteres fotográficos freelancer. Viajava com facilidade e tinha acesso a várias famílias reais europeias.

FOTO-MEMÓRIA | NO DEALBAR DO SÉCULO XX

Cais do Porto de Lisboa | Lisboa por Chusseau-Flaviens

Na George Eastman House são em grande número os vidros da Bulgária, Roménia e Espanha. Surpreendente é o número de chapas sobre Portugal, cerca de 900 negativos em vidro. A sua diversidade geográfica contempla a cidade do Porto, com vistas de uma beleza rara a que a cidade já nos habituou e onde podemos ver o desembarcar do bacalhau na Ribeira. Cascais com as suas praias de pescadores, antes do turismo, os hotéis e os casinos as terem tomado; Mafra, Tomar e Sintra com os seus monumentos; Cacilhas, donde miramos a Lisboa do princípio do século XX; Coimbra, as pessoas, os estudantes e as tricanas, a universidade e o choupal. A sensibilidade de Chusseau - Flaviens quando regista os tipos sociais, os costumes, os vendedores ambulantes: de azeite, de carvão, de leite, de legumes, de aves, de peixe, de ostras, de pão, de perus, de alhos e cebolas, os aguadeiros, os varredores de rua, as lavadeiras, os calceteiros e a calçada portuguesa, os trolhas e os galegos nas mudanças, tudo estimula o estudo da cidade de Lisboa no inicio do século XX.

FOTO-MEMÓRIA | NO DEALBAR DO SÉCULO XX

Mercado do Peixe | Lisboa por Chusseau-Flaviens

Chusseau-Flaviens fotografou o exército português: a cavalaria, a infantaria, a artilharia nos quartéis e em manobras. Fotografou a marinha, os marinheiros e os seus barcos: o Douro, o Vasco da Gama, o Almirante Reis, o Tejo, o D. Amélia e o Dom Luís. Um grande número de fotografias da família real portuguesa, D. Carlos, D. Amélia, D. Afonso e D. Manuel II. Em alguns dos negativos em actos oficiais mas, noutros negativos em situações menos formais ou pousando desportivamente para a câmara. D. Manuel II simulando esgrima ou com uma raquete de ténis na varanda do Palácio da Pena.

FOTO-MEMÓRIA | NO DEALBAR DO SÉCULO XX

Doca de Santos | Lisboa por Chusseau-Flaviens

De Charles Chusseau-Flavies pouco se sabe, o fotógrafo francês terá trabalhado entre 1890 e 1910. Consultando a parte do seu trabalho que se encontra na George Eastman House, parece tratar-se de um dos primeiros repórteres fotográficos freelancer. Viajava com facilidade e tinha acesso a várias famílias reais europeias.
Tinha também grande facilidade em fotografar quartéis e militares em exercício assim como o respectivo armamento, o que fez em vários países da Europa. Fotografava com muita frequência cenas do quotidiano e fazia levantamentos etnográficos.

FOTO-MEMÓRIA | VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA

Cais de Santa Apolónia, Março de 1917

FOTO-MEMÓRIA | PORTUGAL

Figueira da Foz de outros tempos

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DA FIGUEIRA DA FOZ

Lugre «José Alberto» em dificuldades - Setembro de 1953

FOTO-MEMÓRIA | VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA

Navio na descarga de carvão no Entreposto de Sta. Apolónia

FOTO-MEMÓRIA | VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA

Entreposto de Sta. Apolónia pejado de Carga

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA - 1939

Cortiça dentro do Entreposto Central

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA

«Benguela» descarregando no Entreposto Colonial

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA - 1941

Sacaria em Zorras no Entreposto Colonial

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA - ABRIL 1947

Descarga do Navio «Mouzinho» no Entreposto Colonial

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA

Carga de barricas de resina no Aterro de Sta. Apolónia

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA

Muro-cais de Santa Apolónia - Setembro 1938

1917

Lisboa, Caes de Madrid

"Desde ha muito que os nossos visinhos trabalham para converter um dos seus portos do mar, em caes de Madrid, á grande navegação" (...)
(...) "Ora havendo um comboio rapido diariamente de Madrid a Lisboa, e de forma a chegar a Lisboa a horas de apanhar os vapores, é o nosso porto aquele que, sem perigo de rival, pode servir a capital hespanhola" (...)

VIAJANDO PELA HISTÓRIA DO PORTO DE LISBOA

Paquete «Orange» atracado ao muro cais da Rocha

 Vídeo

Porto de Lisboa – 6-7 Dezembro 2012

 “INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - Adalmir José de Sousa (4)

 VIII Congresso da APLOP | Maputo, Março 2015 #1

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #8

 IX Congresso da APLOP | Itajaí, Abril 2016 #1

 Estudo de Mercado do Espaço Aplop, Versão 2.0 [1]

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (4)

 VII Congresso da APLOP - Lobito - Cerimónia de abertura (3)

 VII Congresso da APLOP - Lobito – José Luís Cacho

 Futuro Terminal de Cruzeiros do Rio de Janeiro

 Mindelo e São Vicente com muita morabeza

 Operação Urbana Porto Maravilha - Simulação 3D do Sistema Viário

 Operação Urbana Porto Maravilha - Metodologia Construtiva

 VI CONGRESSO DA APLOP - Painel I – Lisender Borges (1)

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Francisco Venâncio

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Jorge Luiz de Mello

 VI CONGRESSO DA APLOP - Cerimónia de Abertura - Marta Mapilele

 Porto de Luanda - 1955

 Constituição da APLOP - 13.05.2011 - Primeiros momentos

 Constituição da APLOP

Constituição da APLOP

Foto de família